Os benefícios do óleo essencial de TEA TREE (MELALEUCA ALTERNIFOLIA)

Tea Tree1

Quando o assunto é a aromaterapia e o poder dos óleos essenciais naturais de plantas aromáticas, ainda há quem questione.

Possivelmente porque a aromaterapia ganhou mais destaque nas suas ações emocionais relacionadas ao stress e que muitas vezes leva suas demais aplicações a questionamentos infundados.

Não que o seu poder deixe de incluir suas ações, mas principalmente por falta de instrumento de visão cartesiana de tamanha complexidade, que preenche a sua forma de ação relativa às questões emocionais.

Em função disso e, sobretudo, por falta de informação sobre qual a forma exata dos óleos essenciais agirem é que ainda ouvimos alguns questionamentos.

No entanto, inúmeras pesquisas demonstram que algumas ações são relevantes e merecem, ao menos, serem levadas em consideração, não só pelo respaldo do uso milenar, mas também pelos resultados de pesquisas que corroboram com esses entendimentos.

Os óleos essenciais são substâncias voláteis, de grande complexidade estrutural, que oferecem pouquíssima resistência e com efeitos colaterais reduzidos. Porém, um óleo essencial não deixa a menor dúvida quanto ao seu potencial como ativo cosmético, citando como exemplo o óleo de tea tree, em especial a Melaleuca alternifólia – que tem demonstrado ser eficaz, sobretudo, por suas ações anti-sépticas e antiinflamatórias.

Essa espécie de Melaleuca é nativa da Austrália, usada pelos aborígenes há centenas de anos para tratar ferimentos infectados e problemas de pele. Durante a Segunda Guerra Mundial, foi incluída nos quites de Primeiros Socorros para combater as infecções.

Assim, o óleo de tea tree tornou-se uma das ferramentas mais poderosas da aromaterapia na luta contra bactérias, fungos e vírus.

Em 1930, o Medical Jornal Of Austrália já havia publicado sobre suas potencialidades como agente bactericida que não apresentava toxidade nem irritabilidade na aplicação tópica.

A matéria apresentou um relato de muito entusiasmo, em que o óleo de tea tree fora capaz de dissolver pus e deixar a superfície do ferimento limpa, sem aparente dano ao tecido.

Muitas publicações e estudos se seguiram a este e algumas revistas médico-científicas têm referenciado esses estudos para Priest & Priest (2002). Podem ser destacadas as seguintes propriedades do óleo de tea tree ( M. alternifólia ), como agente anti-acne:

  • Amplo espectro microbiano
  • Antiinflamatório
  • Absorção tópica
  • Não-queratólico
  • Ativo em matérias orgânicas como sangue e pus
  • Baixa irritabilidade
  • Biodegradável
  • Incolor
  • Refrescante
  • Natural

Os pesquisadores Basset, Pannowitz e Barnetson, do Royal Prince Alfred Hospital (Sidney), divulgaram no Medical Journal of Austrália , em 1988, resultados de testes clínicos comparativos entre a eficácia de um gel contendo 5% de óleo essencial de tea tree ( M. alternifolia ) e outro contendo a mesma concentração (5%) de peróxido de benzoíla, em aplicações tópica sobre peles acnéicas.

Embora os resultados sugeridos fossem de eficácia similar, o óleo de tea tree não apresentou os efeitos colaterais iguais aos do peróxido de benzoíla, dentre eles a descamação, ressecamento, eritema e ardência. (BASSET et al.; OLIVEIRA & BLOISE, 1996; PRIEST & PRIEST, 2002; SILVA, 2004).

Outra substância que foi estudada comparativamente com óleo de tea tree em seu efeito alopático foi o clotrimazol – um derivado imidazólico que inibe a síntese de ergosterol, causando dano estrutural e funcional à membrana citoplasmática que demonstrou ter eficácia no tratamento de infecções dérmicas (SILVA, 2004).

Os tratamentos estéticos representam a busca pelo bem-estar através da beleza – não há beleza sem saúde física, mental e emocional.

Quando cuidamos da pele, estamos cuidando também de alguns aspectos emocionais nela refletidos, muito mais do qualquer outra parte do corpo. Uma pele acnéica pode contribuir para uma imagem negativa e baixa auto-estima.

Com o uso de óleos essenciais podemos favorecer um significativo resultado, que vai além dos problemas físicos. O stress diminui a capacidade do corpo de eliminar toxinas que, em excesso, trazem problemas para a pele, além de outras pequenas enfermidades.

O profissional de estética pode aproveitar os momentos preciosos de seu trabalho e nele acrescentar um ingrediente sutil de ação emocional, juntamente com os comprovados efeitos físicos demonstrados.

Pode introduzir um óleo essencial de lavanda, por exemplo, que apresenta efeitos físicos semelhantes ao tea tree e ainda assim, tornar o tratamento relaxante. Desse modo, cada profissional de estética, como qualquer outro profissional, buscar sempre alternativas que possam contribuir de forma satisfatória ao incremento de seu trabalho. Afinal, isso é aromaterapia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *