Seu nome científico é Taraxacum officinale.

Mas a maioria a conhece por “dente-de-leão”.

O dente-de-leão é uma planta muito poderosa.

Ela é desintoxicante e depurativa, sendo indicada para prevenir e tratar arteriosclerose, artrose, cálculos biliares, celulite, cirrose, cistite, colesterol, diabetes, distúrbios menstruais, problemas no fígado, hepatite, gastrite, obesidade, prisão de ventre (laxante suave), vesícula e vitiligo.

Você pode comê-la crua em saladas (folhas e flores).

Ou fazer o chá da planta.

Até a ciência já despertou para o poder do dente-de-leão.

Pesquisa do Departamento de Química e Bioquímica da da Universidade de Windsor, no Canadá, descobriu que a raiz desta planta medicinal mata células cancerosas, sem quaisquer outros efeitos nocivos sobre as células normais do corpo.

O bioquímico Siyaram Pandey, da equipe de pesquisadores que realizaram a pesquisa, disse que resolveu fazer a investigação após uma sugestão de uma oncologista da Windsor, dra. Caroline Hamm, que havia notado que alguns pacientes com câncer que tinham bebido o chá de dente-de-leão pareciam estar ficando melhor.

Siyaram Pandey era inicialmente cético.

“A dra. Caroline disse que poderia ser coincidência, mas que deveríamos investigar para ver se havia alguma relação.”

Então Pandey mergulhou na pesquisa, trabalhando em amostras de sangue da leucemia  e o extrato da raiz da planta.

Ele e a dra. Caroline foram surpreendidos ao constatar que as células de leucemia foram forçadas à apoptose, isto é, ao suicídio celular.

O mais incrível para eles foi o fato de que as células não cancerosas foram totalmente preservadas.

Em outras palavras, o extrato de raiz da raiz da planta destruía apenas as células cancerosas, preservando as saudáveis.

Como fazer o chá

INGREDIENTES

2 colheres (sopa) da planta (de preferência a raiz)

1 litro de água

MODO DE PREPARO

Coloque a erva e a água para cozinhar.

Quando a água atingir o ponto de fervura, tampe a panela e abafe por cerca de 15 minutos.

Depois disso, coe e tome a primeira a xícara.

Tome mais duas xícara durante o dia, em um intervalo de seis horas entre cada uma.

Faça o tratamento por 15 dias, pare durante uma semana e tome por mais 15 dias.

Esta bebida é especialmente eficaz para tratar gordura no fígado, vitiligo, colesterol, gastrite, prisão de ventre e problemas de vesícula.

O chá de dente-de-leão, porém, é contraindicado durante a gravidez.

Fonte: https://dicapravoce.net/2264/e-dente-de-leao-parece-uma-erva-daninha-mas-faz-milagres-saiba-quais-/?ref=fbads

Originalmente, eu pensava que toda a questão de perder peso estava ligada a um hormônio chamado insulina. Porém, há mais que isso…

Observei que só reduzir insulina não era a solução completa. Há outro hormônio que, ao contrario da insulina, precisa estar alto: o IGF1.

Quando essa combinação ocorre, o seu metabolismo acelera e queima gordura com muito mais facilidade.

Sua gordura de depósito começa a se converter em energia, e você sente isso! Energia que ativa o seu dia, melhora o cérebro, seus órgãos e sistema nervoso.

Você tem 2 fontes de energia:

  1. Carboidrato, também conhecido como glicose.
  2. Gordura

O problema é que seu corpo só estoca cerca de 2.500 calorias de carboidrato nos músculos, fígado e sangue.

Porém, em média, uma pessoa estoca cerca de 150.000 calorias de gordura, e o seu potencial de depósito de gordura é ilimitado.

Por isso você precisa converter eficientemente esse depósito de gordura em energia.

É preciso ativar a sua resposta metabólica, o que promove a queima de gordura nos quadris, barriga, coxas, nádegas, braços, peito e até mesmo o seu rosto.

Como então ativar essa fonte de gorduras?

O segredo é o IGF1. Ele cria uma resposta metabólica no corpo, queimando mais gorduras, rejuvenescendo o seu tecido muscular e retardando os processos do envelhecimento.

O IGF1 é o hormônio principal que acelera a queima de gorduras e garante essa resposta metabólica que rejuvenesce o corpo.

Será que você está deficiente em IGF1?

Para saber se você está você está deficiente em IGF1 é preciso fazer um exame de sangue, que vai dosar os seus valores.

Fatores que podem influir negativamente no seu IGF1

  • Envelhecimento: o seu IGF1 cai cerca de 14% quando você chega aos 30 anos, 25% quando chega aos 40 anos e atinge 56% nos seus 60 anos.
  • Ambiente tóxico: toxinas ambientais, presentes no ar, água e alimento, que podem bloquear o estímulo de queima de gorduras. Por exemplo, excesso de metais pesados, como o chumbo, pode reduzir a expressão do IGF1 e dos hormônios tireoidianos.
  • Dietas ricas em carboidratos: esse tipo de alimentação moderna coloca tremenda sobrecarga na sua produção do hormônio. Retirar esses alimentos pode ser bem útil.
  • Inatividade: o sedentarismo compromete a produção de IGF1.

E mais, a queda de IGF1 não está somente ligada à perda de peso, mas com 4 doenças sérias:

  • Doença de Alzheimer e demência: baixos níveis de IGF1 têm sido correlacionados com Alzheimer e demência. Segundo estudo publicado no Neurology, em 2014, pessoas com baixos níveis do hormônio tem 51% mais risco de Doença de Alzheimer e demência. Esse estudo mostra ainda que níveis altos de IGF1 promovem cérebros com maior volume, indicando aumento de função cognitiva.
  • Osteoporose e Doença Óssea do Diabético: conforme nós envelhecemos, tendemos a dobrar os riscos de uma condição conhecida como Osteoporose, e a desenvolver ossos frágeis, problema também conhecido como Doença Óssea do Diabético. Níveis baixos de IGF1 podem acelerar essas alterações nos ossos. Segundo o Journal of Bone and Mineral Research, indivíduos com níveis baixo têm 23% mais riscos de fraturas ósseas.
  • Doença cardíaca: segundo estudo publicado no Journal of Clinical Endocrinoly & Metabolism, o risco de doença cardíaca sobe 83% para cada 40 ng/ml de redução de IGF1.

Benefícios adicionais para níveis saudáveis de IGF1

  1. Se você tem IGF1 em níveis saudáveis e insulina baixa, você terá completa sensação de saciedade.
  2. Vai ficar com mais energia e rejuvenescido.
  3. Mais tônus muscular.
  4. Melhora cabelo, pele e unhas.
  5. Redução de rugas e envelhecimento facial.
  6. Promove crescimento de novas células cerebrais no hipocampo, a parte do cérebro envolvida com memória recente e antiga.

Como aumentar IGF1?

  • Injeções de HGH (hormônio do crescimento humano), que se converte em IGF1 no corpo. Celebridades e pessoas bem sucedidas adotam isso.
  • Treinos de alta intensidade: certos tipos de exercício, como os treinos de alta intensidade descritos no meu livro 20 Minutos e Emagreça, estimulam até 530% o HGH. E mais, entre todos os treinos de alta intensidade, nenhum se compara a ele em termos de praticidade e porcentagem de aumento de HGH.
  • Termogênese pelo frio: a imersão em água gelada pode estimular o aumento do IGF1, porém gera muito desconforto, o que torna essa opção sem sentido.
  • Sauna: por aumentar a temperatura do corpo por curtos períodos, criando um estresse térmico, melhora-se a sua resistência e desempenho atlético, além de aumentar a produção do hormônio do crescimento humano (HGH) e o desenvolvimento de novas células cerebrais. Chama-se “condicionamento hipertérmico”.
  • Jejum prolongado: fornece os mesmos benefícios da restrição calórica, gerando aumento do HGH, melhoria da saúde cardiovascular, redução do risco de câncer, reparação de genes e aumento da longevidade.

Agora você já sabe o caminho para aumentar o IGF1, perder peso e reverter o envelhecimento. Comece agora! Sua saúde agradece!

Referências bibliográficas:

  • International Journal of Sports Medicine, 1989;62-66
  • Altern Complement Ther, December 1999:373-385
  • British Medical Journal 2005;:38331.655347.8F
  • J Sci Med Sport. 2007 Aug;10(4):259-62.
  • J Neurosci. December 2013
  • Society for Endocrinology October 24, 2013
  • Eur J Sport Sci. 2014;14 Suppl 1:S131-41.
  • Livro 20 Minutos e Emagreça. Editora Gaia. 2014

Se tem uma árvore que você deveria plantar no seu quintal é a moringa.

Pelo menos, é o que garantem pesquisadores de todo o mundo.

Alvo de estudos em várias partes do planeta, a espécie, originária da Ásia e da África, é apontada como promessa para o combate à fome.

Por quê? Simples! A planta possui alto valor nutritivo. Mesmo! Pesquisas comprovam que a moringa possui:
– sete vezes mais vitamina C do que a laranja;
– quatro vezes mais vitamina A do que a cenoura;
– quatro vezes mais cálcio do que o leite de vaca;
– três vezes mais ferro do que o espinafre;
– e três vezes mais potássio do que a banana.

Ficou impressionado? Pois tem mais: a planta ainda tem, em sua composição, aminoácidos essenciais (aqueles que precisamos ingerir, porque o corpo humano não produz) e possui propriedades medicinaisque podem curar de dor de estômago a malária.

A moringa é tão poderosa que está conseguindo afastar o fantasma da subnutrição do sul da Etiópia. E não é só isso! A planta ainda é capaz de despoluir a água.

Segundo testes de laboratório feitos por pesquisadores do Instituto de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Minas Gerais, a espécie pode remover até 99% dos resíduos presentes na água.

O segredo está na semente, que contém óleo e proteínas especiais e, quando triturada, gera um pó com propriedades capazes de atrair argila, sedimentos e bactérias. Demais, não? O poder da natureza é, mesmo, impressionante.

E aí? Está esperando o que para plantar uma moringa no quintal de casa?

Foto: Books for Life/Creative Commons

Fonte: http://thegreenestpost.bol.uol.com.br/conheca-a-arvore-que-pode-acabar-com-a-fome-no-mundo-e-ainda-despoluir-a-agua/

O cérebro humano tem habilidades incríveis.

Infelizmente, o mal de Alzheimer pode destruir a maior parte dessas habilidades.

A demência causa consequências terríveis, como:

– Perda de memória

– Raciocínio lento

– Dificuldade em se expressar

– Mudanças bruscas de comportamento

A chance de sintomas como esses serem o resultado da doença  Alzheimer é de 60% a 70%.

No entanto, também pode ser Parkinson, problemas na tireóide, traumatismo craniano, depressão, alteração vascular, uso excessivo de medicamentos farmacêuticos e deficiência de vitamina.

Portanto, se você perceber algum sinal de demência, procure o seu médico o mais rápido possível.

Afinal, se o problema for reversível, quanto mais rápido tratar, melhor.

Voltando ao mal de Alzheimer, infelizmente, todos sabem, é um problema sério, cujo tratamento é bem difícil.

Por isso a melhor estratégia é a prevenção.

Sim, você pode fazer algo para fortalecer o seu cérebro contra doenças degenerativas, inclusive Alzheimer.

Por exemplo:

1. Minimizar o uso de drogas anticolinérgicas

O problema dessas drogas é que elas diminuem os impulsos nervosos parassimpáticos.

Para quem não sabe, o sistema parassimpático tem a função de gerenciar as atividades que acontecem enquanto o corpo descansa.

Ou seja, são aqueles nervos responsáveis pelos músculos dos pulmões, trato urinário, trato gastrointestinal e outras partes do corpo.

A maioria dos soníferos prescritos, medicamentos antialérgicos, antidepressivos e medicamentos para o coração tem potente ação anticolinérgica no corpo.

Existem estudos que mostram que o uso regular de medicamentos anticolinérgicos aumenta significativamente o risco de demência.

Por esse motivo, muitos profissionais de saúde de todo o mundo estão tentando educar seus pacientes sobre os perigos desses medicamentos e como limitar a sua utilização.

Se você atualmente usa anticolinérgicos, recomendamos que você consultar com seu médico sobre como reduzir seu uso ou substituí-los.

Veja AQUI uma lista com alguns desses medicamentos.

2. Tome vitamina D

Muitos estudos encontraram uma estreita relação entre a demência e o baixo nível de vitamina D.

Procure se expor ao sol brando e consuma suplementos de vitamina D.

Isso evitará muitos problemas de distúrbio cerebral.

3. Consuma óleo de peixe/ ômega 3

A sua ausência em na dieta humana pode causar problemas no cérebro.

Consulte seu médico antes de começar a consumir o óleo de peixe, pois o consumo desequilibrado pode causar efeitos colaterais.

4. Consuma vitaminas do complexo B

Vitaminas como B12, B6 e folato podem reduzir os níveis da molécula homocisteína (HC).

Uma elevada carga de HC aumenta significativamente as chances da pessoa sofrer problemas vasculares.

Além disso, leva ao declínio cognitivo com o passar da idade.

Para prevenir, pode-se consumir 500mcg de vitamina B12.

Mas só o faça com a prescrição do seu médico.

5. Pratique exercícios físicos

Esta é uma dica útil para prevenir muitas doenças.

Procure andar ou pedalar por 30 minutos diariamente.

6. Explore o seu cérebro

Se possível, desafie seu cérebro fazendo palavras cruzadas, montando quebra-cabeças ou até mesmo aprendendo um idioma – isso pode atrasar o declínio da memória em quase dois anos e meio.

Um estudo recente mostrou que pessoas que sabem mais de uma  língua tem pelo menos cinco anos a mais de lucidez do que as que conhecem apenas o básico da língua nativa.

7. Reduza o consumo de álcool e fumo

Todo mundo sabe que essas duas práticas podem causar problemas gravíssimos de saúde.

Fumantes apresentam um risco 45% maior de desenvolver Alzheimer comparados aos não fumantes.

As pessoas que bebem álcool também têm mais chances de desenvolver demência, principalmente se o consumo for excessivo.

8. Proteja a cabeça contra lesões

Pancadas na cabeça aumentam os riscos de Alzheimer, então tome muito cuidado.

Sempre que realizar atividades esportivas, com skate, patins, bicicleta, use capacete para proteger.

9. Garanta seu ciclo social

Aboa interação com as pessoas protege o cérebro de efeitos negativos, como solidão.

Junte-se com amigos e parentes para celebrar os momentos juntos, com brincadeiras, jogos, piadas ou um bom filme.

10. Analise o peso, nível de colesterol e a pressão arterial

É sempre bom está no peso ideal e com as taxas hormonais equilibradas.

Alterações como essas podem causar acidente vascular cerebral e problemas cardíacos.

Invista numa dieta rica em peixe, verdura, nozes e sementes para prevenir a demência.

Fonte: http://www.curapelanatureza.com.br/post/12/2016/10-coisas-que-voce-precisa-fazer-para-reduzir-chances-de-ter-alzheimer

A raiz de gengibre, além de ser deliciosa, é bastante eficaz, composta de propriedades anti-inflamatórias, antiparasitárias, antivirais e antibacterianas.

Ela age de forma intensa no sistema imunológico, digestivo e no cardiovascular.

O gengibre contém vitaminas (como a C) e minerais (como magnésio).

É muito comum encontrá-lo na culinária, dando um gostinho especial nas comidas e bebidas.

Neste post, vamos ensinar a fazer o melhor chá de gengibre.

Por que é o melhor?

Porque ele vem reforçado com outros ingredientes “mágicos”, que são o açafrão-da-terra (cúrcuma) e o limão.

Este chá é uma ótima opção para o tratamento de gripe e de todo s os tipos de viroses.

Além disso, ele também proporciona outros benefícios, como:

– Melhora a circulação

– Alivia as dores no corpo (inclusive enxaqueca e dor de cabeça)

– Reduz o risco de pedras nos rins

– Oferece nutrientes necessários para manter o funcionamento adequado do fígado

– Estimula o metabolismo

Aprenda como fazer este maravilhoso chá:

INGREDIENTES

1 pedaço de 3cm de gengibre cortado em fatias

1 limão cortado em rodelas (não precisa descascar)

1 colher (café) de açafrão em pó

Meio litro de água

MODO DE PREPARO

Ferva a água com o gengibre.

Quando levantar fervura, adicione o limão, o açafrão, mexa, desligue o fogo e tampe a panela.

Espere pelo menos dez minutos antes de iniciar o consumo.

Beba duas xícaras por dia.

Tome este chá por no máximo duas semanas.

Se quiser continuar tomando, dê uma pausa de uma semana e retome por mais duas.

Importante: hipertensos só devem consumir gengibre com a autorização do médico.

Este é um blog de notícias sobre tratamentos caseiros. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

Fonte: http://www.curapelanatureza.com.br/post/10/2016/como-fazer-um-cha-de-gengibre-perfeito-para-eliminar-enxaqueca-dores-musculares-febre-e

fruto-del-monje-0

Também conhecida por Buddha Fruit

Familia: Cucurbitaceae

Origem: Sul da China

Altura: Trepadeira entre 3 e 5 metros de altura

Luminosidade: Meia sombra

Um edulcorante natural

Você já escutou falar da fruta do monge? Trata-se de um fruto com grande valor nutricional e com a particularidade de ter um alto conteúdo de glicose, capaz de torná-lo um sucedâneo do açúcar, ideal para quem sofre de diabetes. Não deixe de conhecer este exótico e saudável fruto!

 Embora seja popularmente conhecido como fruta do monge ou monk fruit, você talvez tenha escutado falar também do luo han guo ou fruta da longevidade. Estes são todos os nomes que se dão ao fruto da planta Siraitia grosvenoori, uma trepadeira da família das cucurbitáceas.

Segundo se acredita, é originária da Tailândia e de algumas regiões da China, onde foi utilizada durante milhares de anos como remédio natural para uma variedade de doenças.

Suas propriedades medicinais estão estreitamente ligadas ao seu rico conteúdo nutricional. É um fato assombroso, mas está cientificamente comprovado que esta fruta é mais doce que o açúcar, já que possui altas concentrações de frutose e glicose. Mas especialmente sua doçura provém dos glicosídeos únicos presentes na sua polpa.

Esta é a razão principal pela qual é considerado um edulcorante natural muito benéfico para quem sofre de diabetes. Quer saber como atua? Não perca a parte final deste artigo.

Benefício da fruta do monge para o diabetes

Como dizia anteriormente, seu poder medicinal radica no seu rico conteúdo em nutrientes, conformado por:

  • Glicosídeos triterpenos
  • Glicose
  • Frutose
  • Proteínas
  • Vitamina C
  • Minerais: manganês, ferro, níquel, selênio, estanho, iodo, molibdeno e outros.
  • Ácidos graxos

Graças a estes princípios ativos, a fruta do monge é capaz de reduzir os níveis de açúcar no sangue, de colesterol e os níveis de triglicerídeos em pessoas que sofrem de diabetes. Inclusive pode ajudar o fígado a funcionar corretamente.

O que diz a ciência a respeito? Existe evidência científica que apoia os efeitos saudáveis deste fruto sobre o diabetes. Em um estudo recente, publicado no British Journal of Nutrition, se descobriu que animais diabéticos de laboratório, cuja dieta foi reforçada com extrato de fruta do monge, mostraram níveis mais baixos de proteína na urina. Isto indica que este fruto ajuda os rins a funcionar de melhor forma, e caso você não saiba, a saúde dos rins é muito importante para os diabéticos.

Por estas razões é que a fruta do monge é considerada um dos melhores edulcorantes para diabéticos. Te interessa consumir este fruto, mas não sabe como fazê-lo? Não se inquiete e tome nota dos seguintes conselhos.

Formas de consumir a fruta do mongePode ser consumido de várias formas:

  • Como bebida, em chás quentes ou frios.
  • Como verdura, em sopas e estofados.
  • Em tortas, geleias, bolachas, xaropes para a tosse, etc.

Leia mais sobre: http://br.innatia.com/c-frutas-propriedades-fr-pt/a-o-monk-fruit-ou-fruta-do-monge-um-alimento-essencial-para-o-diabetes-1929.html

Acucar

O açúcar processado, também chamado de refinado, ocupa as primeiras posições na lista de alimentos inimigos da boa saúde. Isso porque, quando passa por processos químicos de refinamento, ele perde muitos nutrientes e o que sobra são apenas calorias provenientes dos carboidratos. A regra é: quanto mais branco, mais processado é o açúcar.

O que também faz dele um vilão tão potencialmente perigoso são seus disfarces. O açúcar processado não está presente apenas no açucareiro usado para adoçar o café ou fazer um bolo. Refrigerantes e outros alimentos industrializados, como molhos, sorvetes e iogurtes, são exemplos de produtos ricos em açúcar. Comidas salgadas, como macarrão, arroz branco e pães, também levam o produto na composição.

Considerado pobre nutricionalmente, quando o açúcar é consumido além da conta, causa uma série de complicações para o organismo, como diabetes, obesidade, cansaço, envelhecimento da pele e até baixa imunidade.

Recentemente, uma pesquisa divulgada pelo jornal Jama Internal Medicine apontou que representantes da indústria açucareira teriam manipulado, durante décadas, estudos sobre os efeitos do produto na saúde, atribuindo problemas cardíacos apenas ao colesterol e gorduras saturadas.

Com tantas complicações para saúde, a dica dos especialistas ouvidos pelo UOL é resistir e eliminar o consumo desse tipo de açúcar da alimentação.

Para isso, o ideal é substituí-lo por opções mais saudáveis –como açúcar de coco ou mascavo– e reduzir a ingestão de alimentos industrializados.

Acha difícil? Veja alguns dos benefícios que a atitude pode causar no organismo. A lista foi elaborada com a consultoria da nutricionista funcional e ortomolecular Rachel Faria, e dos endocrinologistas Glaucia Carneiro, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), e Renato Zilli, do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo.

Marcos Inoue/UOL

  • Emagrece

    O açúcar não é o único vilão da dieta, mas reduzir (ou cortar) o seu consumo ajuda a evitar, principalmente, o ciclo vicioso de sua ingestão e, consequentemente, reduz as calorias ingeridas. O consumo de açúcar simples gera picos e quedas repentinas de glicemia no sangue. A cada “baixa”, sentimos ainda mais vontade de comer. Se a próxima escolha for um carboidrato ou doce, por exemplo, o ciclo se reinicia. Com o passar dos anos, esse ciclo vicioso contribuirá também para o surgimento de outras doenças, como pressão alta, colesterol e obesidade.

    Imagem: Marcos Inoue/UOL
    Marcos Inoue/UOL

    Traz mais disposição

    Quando ingerimos açúcar, os níveis de glicose no sangue aumentam, fazendo com que o pâncreas produza insulina (hormônio responsável por reduzir a glicose) além do normal. Para reequilibrar o organismo, nosso sistema coloca em ação a insulina, que tem como objetivo fazer a glicose circular. O excesso de açúcar é considerado tóxico e acaba se transformando em gordura, que interfere no equilíbrio nervoso. Além disso, um estudo feito em 2008 pelo The Scripps Research Institute, uma organização americana privada, apontou que o açúcar pode reduzir as atividades da orexina, um neurotransmissor que regula a excitação, a vigília e o apetite. Quando esses neurotransmissores têm suas atividades reduzidas, o organismo passa a ficar mais sonolento e cansado.

    Imagem: Marcos Inoue/UOL
    Marcos Inoue/UOL

    Pele mais jovem

    Um cardápio com muito açúcar deixa a pele opaca e enrugada. Isso por causa da glicação, processo em que a glicose em excesso danifica a elasticidade da pele, levando a rugas, flacidez, além de deixá-la com um aspecto envelhecido.

    Imagem: Marcos Inoue/UOL
    Marcos Inoue/UOL

    Evita o aparecimento de acne

    Alimentos que elevam rapidamente os níveis de açúcar no sangue, como pães e massas brancas, podem causar flutuações hormonais –como o aumento nos níveis de insulina no corpo, responsável por reduzir a taxa de glicose no sangue. Essas flutuações desencadeiam reações inflamatórias em nosso organismo, inclusive na pele, resultando em cravos e espinhas.

    Imagem: Marcos Inoue/UOL
    Marcos Inoue/UOL

    Deixa nosso humor mais estável

    Picos e quedas repentinas no nível de açúcar no sangue podem causar sintomas como irritabilidade, alterações de humor, confusão mental e cansaço. Quando tomamos um copo de refrigerante, por exemplo, há um aumento acelerado do nível de açúcar no sangue. E, logo depois, uma queda repentina. Quando há essa queda, nos sentimos ansiosos, temperamentais e cansados. Portanto, ao cortar o açúcar, o humor tende a ficar mais estável.

    Imagem: Marcos Inoue/UOL
    Marcos Inoue/UOL

    Fortalece o sistema imunológico

    Consumir açúcar em excesso pode causar uma queda na capacidade do nosso organismo de destruir vírus e bactérias intrusos. Um estudo feito em 1973, pela Universidade Loma Linda, nos EUA, apontou que, quando voluntários consumiram cem gramas de açúcar, a atividade dos leucócitos (células de defesa) caiu pela metade. Para alguns nutricionistas, o açúcar também estimula o crescimento de fungos associados a infecções crônicas, que sobrecarregam o sistema imunológico.

    Imagem: Marcos Inoue/UOL
    Marcos Inoue/UOL

    Diminui o risco de diabetes

    O consumo excessivo de açúcar pode tornar o organismo resistente à insulina, que controla a entrada de açúcar nas células. Se a produção de insulina for insuficiente, o açúcar acaba retido na corrente sanguínea, acarretando uma série de complicações. Entre elas, a diabetes.

    Imagem: Marcos Inoue/UOL
    Marcos Inoue/UOL

    Boca livre de cáries e mau hálito

    As principais causas do mau hálito (ou halitose) originam-se na boca. Quando a higiene bucal é incompleta, a língua acumula uma massa esbranquiçada formada por resíduos alimentares. Essa massa vira alimento das bactérias causadoras do mau hálito. Os alimentos que contêm açúcar acabam potencializando essa massa e servindo como fonte de energia para as bactérias causadoras do mau hálito. No caso das cáries, as bactérias presentes em nossa boca transformam o açúcar em um ácido que ataca e enfraquece os dentes.

    Imagem: Marcos Inoue/UOL
    Marcos Inoue/UOL

    Melhora o sono

    Se você consome muitos alimentos ricos em carboidratos simples ou bebidas açucaradas antes de dormir, terá uma “entrada extra” de energia no organismo, deixando-o mais “ligado”, o que pode dificultar a hora de dormir.

    Imagem: Marcos Inoue/UOL

Fonte: http://estilo.uol.com.br/vida-saudavel/listas/o-que-acontece-com-o-seu-corpo-quando-voce-corta-o-acucar-processado.htm

Família: Melastomataceae.

Nome científico: Miconia albicans (Sw.) Triana

Nomes populares: quaresmeira-de-flor-branca

DESCRIÇÃO DA ESPÉCIE

Arbusto a arvoreta sua altura atinge até 8 m. Ocorre do Sul do México e Antilhas. No Brasil  é encontrada desde Roraima e Amazonas até Santa Catarina.

Espécie característica de cerrados e savanas, mas também encontrada em vegetação litorânea (MARTINS et al 1996).  Espécie de alta atratividade para insetos e animais

Folhas: suas folhas possuem efeitos alelopáticos e antimicrobianos (CELOTTO et al., 2003).

Fruto: bagas.

Floração: agosto- setembro.

Frutificação: setembro- dezembro.

Polinização: abelhas sem ferrão do gênero  trigona e vários insetos.

Dispersão: dispersas por pássaros (EMBRAPA CERRADOS 2013), formigas (mirmecocoria).

Bibliografia consultada

ALBUQUERQUE, L. B. de; AQUINO, F. de G.; COSTA, L. C.; MIRANDA, Z. de J. G.; SOUSA, S. R. Espécies de Melastomataceae juss. com potencial para restauração ecológica de mata ripária no Cerrado. Separatas Embrapa Cerrados, 2013.

CARVALHO, B. L. R. et al. Comunidade de insetos associada a Miconia albicans (Swartz) Triana (Melastomataceae) em Lavras, Minas Gerais, Brasil. In: IV CONEFLOR –III SENEFLOR, 2013. Vitória da Conquista (BA). 2013. p.7.

Instituto Botânica. Disponível em: http://www.ibot.sp.gov.br/publicacoes/hoehnea/vol30/30_2/30_2%20t7.pdf. Acesso em: 12/11/2012.

Indicações:

A Miconia albicans é uma planta natural do Nordeste do Brasil, também conhecida popularmente na Bahia como Canela de Velho.

Esta planta, tem se revelado excelente para o tratamento das dores articulares como a artrose.

A Canela de Velho apresenta efeitos anti-inflamatório, proteção contra o desenvolvimento da neuropatia dolorosa, anti-nociceptivo (redução da capacidade do cérebro em perceber a dor), inibição da glicação protéica em diabetes.

Também é de conhecimento popular seus efeitos contra doenças estomacais, intestinais, das dores articulalares (artrose, artrite).

Estudos preliminares sobre Canela de Velho (Miconia albicans)

Estudos comprovam que as folhas da Canela de Velho apresentam efeitos anti-inflamatório, proteção contra o desenvolvimento da neuropatia dolorosa, anti-nociceptivo (redução da capacidade de perceber a dor pelo cérebro), inibição da glicação protéica em diabetes. Também é de conhecimento popular seus efeitos contra doenças estomacais, intestinais e das dores articulares (artrose, artrite).

A Canela de Velho protege as células contra o câncer

O flavonoide, substância conhecida e valorizada por ser um poderoso antioxidante capaz de reduzir os radicais livres que causam danos à saúde, foi encontrado por pesquisadores na Miconia albicans, planta do cerrado conhecido popularmente como Canela de Velho.

Também presente em alimentos como as frutas vermelhas e até mesmo no vinho, uma das principais funções dos flavonoides é prevenir ou retardar o desenvolvimento de alguns tipos de câncer.

A Miconia albicans mostrou ter propriedades antimutagênicas, ou seja, a planta é capaz de proteger as células contra danos no DNA, o que previne doenças como o câncer e má formação no desenvolvimento do organismo.

Efeitos analgésicos da Canela de Velho (Miconia albicans)

Estudos comprovam os efeitos analgésicos dos extratos (hexano, cloreto de metileno e etanol) obtidos a partir das folhas de Miconia albicans (Canela de Velho) utilizando o teste de contorção e os modelos de placas quentes para a dor em camundongos.

Os extratos de hexano e cloreto de metileno, administrados por via oral, produziu antinocicepção (redução na capacidade do cérebro perceber a dor) significativa no teste de contorção.

Por outro lado, nenhum dos extractos teve um efeito significativo sobre o teste da placa quente, o fato que sugere que as substâncias presentes nas folhas da Canela de Velho também tem atividades analgésicas periféricas.

Afinal, o que é artrose?

A artrose é uma doença reumática, que pode atacar tanto homens como mulheres e sua incidência é notória com o avanço da idade. Vários são os fatores causadores da doença artrose o seu principal sintoma é a dor nas articulações.

O tratamento da artrose inclui mudança de hábitos, como prática de exercícios físicos, repouso, controle do peso e medicamentos para controle da dor, que de certa forma melhoram a qualidade de vida do paciente.

A doença artrose, ou simplesmente artrose, também conhecida como osteoartrose, osteoartrite, artrite degenerativa e doença articular degenerativa, é uma doença reumática que ataca as articulações das mão, dedos, dos joelhos, coluna e quadril.

Ocorre em ambos os sexos tanto em homens como em mulheres, sendo a mais comum das doenças reumáticas. Pessoas acima de 70 anos, tem mais 70% de probabilidade de serem acometidos pela artrose, mas apenas uma parte destas pessoas desenvolvem a doença.

A doença artrose provoca o desgaste progressivo da cartilagem das juntas (as articulações) e uma alteração óssea, conhecido como bicos de papagaio. Os fatores hereditários e os fatores mecânicos podem ser a causa do seu aparecimento.

Quais são os sintomas da doença artrose?

No começo a artrose pode não apresentar nenhuma sintomatologia, vísivel somente nas radiografias.

O principal sintoma é a dor, que no início só ocorre na movimentação da articulação afetada e melhora com o repouso, mas avança com o tempo para uma dor profunda até mesmo em repouso.

Em muitas vezes a dor é acompanhada de uma rigidez ao levantar-se pela manhã ou após longo período sentado. Pode diminuir os movimentos da parte afetada, ruído na articulação (crepitações), deformidades e inchaço nas articulações e falta de firmeza para realizar movimentos.

Tratamento Natural da Artrose

Tratamento da Artrose: O chá de Canela de Velho tem sido um santo remédio para o tratamento de dores crônicas das articulações e em especial o tratamento da artrose.

Ela apresenta uma grande vantagem no tratamento da artrose por ser um produto natural e não apresentar nenhuma contra-indicação.

A Canela de Velho é um anti-inflamatório natural que age externamente e internamente (corrente sanguínea). Milhares de pessoas já se beneficiaram dessa planta milagrosa.

Obs: Existe várias plantas, por todo o Brasil, com o nome de “Canela de Velho”. Na Bahia a planta conhecida popularmente como Canela de Velho é a Miconia albicans.

http://caneladevelho.com.br

coenzima-q10

A chave para as mudanças corporais está no metabolismo de cada pessoa. Algumas possuem dificuldade para perder peso devido ao funcionamento metabólico lento, já outras não ganham massa magra devido ao metabolismo constantemente ativo.

A coenzima q10 é naturalmente produzida pelo nosso corpo, mas ela também pode ser consumida através de suplementos que podem contribuir para um melhor equilíbrio no seu organismo.

A partir de agora você entenderá a importância da coenzima q10 no seu corpo, principalmente para a produção de ATP e para controle dos batimentos cardíacos.

O que é?

A Coenzima q10 é semelhante a um nutriente vitamínico. O corpo produz naturalmente esse nutriente, e ele pode ser encontrado em todas as células de nosso corpo. Sua presença é fundamental para a produção de energia e para a reconstrução das células, o que se deduz um efeito antioxidante super poderoso.

Como dito acima, a coenzima q10 pode ser produzida pelo nosso corpo, mas ela também pode ser obtida em alguns alimentos e suplementos alimentares. Dentre os alimentos que podem contribuir significativamente com quantidades desse nutriente podemos destacar o amendoim, a cavala, sardinha, carnes, em alguns óleos, e também em carnes de alguns órgãos como coração, rins e fígado.

Para que serve?

Esse nutriente pode retardar os efeitos dos radicais livres e ainda favorecer o equilíbrio dos batimentos cardíacos. Nos Estados Unidos, ela é utilizada como suplemento alimentar e pode ser chamado também de ubiquinona, ou ubidecarenona. Ela também é muito utilizada para fornecimento de energia e recuperação muscular, o que é um dos principais benefícios para praticantes de esportes.

Afirma-se que a Coenzima q10 pode ser consumida para tratamento de cancro, distrofia muscular, doença periodontal e insuficiência cardíaca. Abaixo você poderá conhecer de forma mais detalhada sobre as possíveis reações e benefícios obtidos com o uso da Coenzima q10.

Benefícios

Os benefícios que o suplemento pode oferecer são diversos, pois ele pode auxiliar na regeneração de vitamina C e E, e também é utilizado para auxiliar na prevenção de doenças como Alzheimer e Parkinson, pois oferece proteção às mitocôndrias. A Coenzima q10 é apontada como um diferencial utilizado no tratamento de fibromialgia e em muitas outras finalidades de uso; veja abaixo:

Insuficiência cardíaca

A produção de coenzima q10 não é tão satisfatória para pessoas de 30 anos ou mais; sendo assim, é indicado o acompanhamento de algum médico para reconhecer se há a necessidade de uma suplementação ou não. A reposição desse nutriente pode contribuir positivamente para manter os batimentos cardíacos em frequência benéfica. A Coenzima q10 pode oferecer mais segurança ao seu sistema cardiovascular.

Colesterol

É dito que o consumo de Coenzima q10 pode contribuir para a redução das taxas de colesterol ruim, o LDL.

Câncer

Alguns estudos realizados em 1961 levantaram indícios de que pessoas com cancros na mama, no pulmão, pâncreas, rim, cólon, linfoma e mieloma múltiplo possuíam quantidades inferiores de coenzima q10 na corrente sanguínea.

A suplementação coenzima q10 pode regular os níveis de doxorrubicina, uma droga que age como antitumor. Pesquisas foram realizadas com mulheres com câncer de mama, e a maioria delas obteve sucesso com o tratamento com a Coenzima Q10, mas o Instituto Nacional do Câncer reconhece que o tratamento não foi bem sucedido apenas pela medicação extra.

Sistema imunológico

A capacidade do nosso corpo de se proteger pode ser beneficiada a partir do consumo desse suplemento, pois ele contribui com ação antioxidante, o que reduz a possibilidade de envelhecimento de nossas células ao ajudar a neutralização das moléculas prejudiciais – os famosos radicais livres – o que dá uma proteção mais segura para nosso sistema imunológico.

Fonte energética

Afirma-se que, com o consumo regular de Coenzima q10, você pode contar com uma melhora no seu condicionamento físico para a realização de seus exercícios devido à ação como catalisador, o que proporciona uma melhor vasodilatação, assim garantindo um melhor transporte de oxigênio e substâncias pelo corpo.

É dito que esse suplemento pode agir diretamente na energia celular, e assim se tornar uma das fontes principais de energia. Através dessa melhora, consequentemente é notável a melhora no rendimento das atividades, e é possível notar benefícios também na taxa metabólica, o que estende os indícios a uma queima de calorias mais eficiente e muito benéfica para aqueles que desejam controlar o seu peso.

Fadiga muscular

Treinos de longa duração e de alta intensidade podem oferecer fadigas musculares que podem demonstrar uma certa dificuldade para recuperação. É dito que a Coenzima q10 é eficiente nesse quesito também. Ela pode ser ingerida após os treinos de alta intensidade, sendo utilizada como apoio para a melhor recuperação muscular de praticantes de esportes.

Antioxidante

Esse efeito pode beneficiar não só o funcionamento de seu organismo, mas a beleza de sua pele e cabelos. A ação antioxidante pode favorecer à redução das marcas de expressão, rugas e até flacidez, além de oferecer efeito anti-inflamatório.

Efeitos colaterais

É importante que sejam avaliadas as características pessoais de cada um. O consumo de coenzima q10 pode reduzir os níveis de açúcar na corrente sanguínea e ainda ocasionar desconfortos abdominais e dores no estômago. Diabéticos devem buscar uma avaliação médica antes de iniciar o consumo do suplemento.

Tomar mais que 100 mg de Coenzima q10 por dia pode ocasionar insônia leve. Dosagens excessivas, como 300 mg por dia e por um longo período, podem resultar em níveis elevados de enzimas no fígado e toxidade hepática.

Contra indicações

Se você possui insuficiência cardíaca ou qualquer desequilíbrio de frequência de batimentos, é fundamental que busque uma avaliação médica antes de iniciar o consumo de coenzima q10. Os estudos sobre os efeitos da medicação ainda não foram completamente comprovados, mas é importante que reconheça os riscos e evite qualquer sintoma mais grave.

Como tomar?

Cada fabricante oferece uma recomendação para dosagens de consumo e sua melhor forma de como tomar a Coenzima q10, mas é indispensável que você busque uma orientação médica para consumo desse suplemento.

Dieta equilibrada

Você pode se sentir beneficiado de forma diferenciada com a ingestão regular de coenzima q10, mas é fundamental que você assuma uma alimentação rica em nutrientes naturais e vitaminas que possibilitem um melhor funcionamento de seu organismo.

As propriedades contidas naturalmente nos alimentos podem se tornar o diferencial que você necessita para se manter ainda mais saudável e com o sistema imunológico perfeito para reagir de forma positiva às interferências externas.

Atividades físicas

Uma vida saudável não se limita apenas à alimentação correta e suplementação necessária. A prática de hábitos saudáveis pode oferecer benefícios não só para o seu corpo, como também para a sua mente. Sinta-se bem consigo mesmo, reserve alguns momentos de sua rotina para movimentar seu corpo e assim contribua para o funcionamento mais eficiente de seu metabolismo.

Você pode sim obter diversos benefícios com a ingestão de suplementos, mas é importante que priorize sempre os métodos naturais para se sentir disposto e saudável.

Leia mais: http://www.noticiasnaturais.com/2015/07/coenzima-q10-para-que-serve-beneficios-efeitos-colaterais-e-como-tomar/#ixzz4RogrAsOL

A Interpretação Física

A repressão está acontecendo. Para ser amado, produtivo e invejável preciso seguir os modelos e condicionamentos. Não penso e vou em frente.

Mas, lá no fundo, sinto raiva, medo e culpa. Tudo isso me intoxica e vem a dificuldade de pensar e discernir. O quê fazer? O instinto de preservação prevalece.

Não faço o quê realmente desejo. Me “sedo” com o que primeiro vier nesta confusa cabeça.

Então, rapidamente vem a sensação de cansaço e falta de vitalidade. Vem a frustração, depressão, sensibilidade à flor da pele, choro, desespero, falta de ânimo, mau humor e ansiedade.

Mas, cada um reage de um jeito. A pessoa mais guerreira irá esconder-se na sua ação incessante.

A pessoa mais sensível irá fragilizar-se, compensando em outras fontes de “nutrição” e levará um bom tempo para ‘reagir’. Enfim, sempre optamos igual: nos distanciar (sedar) cada vez mais da origem.

Perceba que tudo o que foi gerado neste processo é venenoso. Os pensamentos, as emoções e os sentimentos não foram amorosos, mas sofridos, ‘insanos’.

As formas de compensação também são “drogas” ao serem usadas como um “ópio” para sedar a dor, o vazio e a subnutrição da Alma.

Para sair deste círculo vicioso e discernir o que é “sano” há que se fazer uma faxina. Desintoxicar-se.

Precisamos dos nossos órgãos excretores a pleno vapor para nos ajudar.

Mas, sem consciência, acordamos e imediatamente tomamos um estimulante qualquer – café, chá, álcool, fumo ou comida.

Desta forma, todos os sintomas descritos acima, que correspondem à sobrecarga nos órgãos de eliminação e a um início de intoxicação geral, desaparecem em alguns instantes.

Todos os estimulantes – ou o simples fato de comer – bloqueiam os mecanismos de eliminação.

A sensação de melhoria é imediata, mas para complicar, as funções excretoras são interrompidas antes que sua tarefa cotidiana tenha sido finalizada.

Desta forma, todas as toxinas não eliminadas – ou precariamente eliminadas – serão certamente reabsorvidas, acumulando-se, dia após dia.

Quando um órgão de eliminação está sobrecarregado, o corpo cria um recurso de compensação, aumentando a mobilização via os outros órgãos excretores.

Este mecanismo funciona bem se for por um breve período ou esporadicamente. Mas quando acontece com frequência, este recurso entrará em “alerta” avisando o “proprietário” do corpo, através de sintomas cada vez mais intensos que algo não está bem. Entretanto, se os avisos ficam sem resposta, crises de eliminação irão surgir em diferentes níveis de gravidade.

A maior parte das inflamações e infecções são esforços do organismo para se livrar das substâncias nocivas que se depositam nas suas células e nos espaços intercelulares.

Alergias, intoxicações, fungos, vírus e bactérias não são agressores externos que atacam o organismo “por acaso”. Seu papel é super útil, desde que os mecanismos de autodefesa do corpo estejam prontos para bloquear e controlar a sua ação.

Entretanto, a maior parte dos tratamentos realizados somente pelos sintomas de doenças agudas, bloqueiam os mecanismos de eliminação, proporcionando um bem estar imediato, mas sem assegurar uma cura verdadeira.

Ou seja, a causa da doença fica abafada por terapias supressivas, criando ainda outros fenômenos aos quais chamamos de efeitos colaterais. Neste caso, a causa não é atacada, o organismo fica mais intoxicado e mais enfraquecido.

O corpo físico não consegue mais se recuperar por crises de eliminação e aparecem as doenças crônicas.

Mas, ainda num esforço de absoluta inteligência divina, o organismo trata de confinar as toxinas a locais delimitados (como os abscessos de fixação, os tumores e cistos) ou para manter abertas algumas válvulas de segurança para a eliminação (como as úlceras que não cicatrizam). Sem dúvida, Deus é perfeito. Nós é que complicamos.

Então, que tal começarmos a ser cúmplices do nosso corpo e dialogarmos com ele diariamente? Permitirmos um banho interno diário, que limpa todas as toxinas de todas as partes dele?

Todas as culturas orientais valorizam estes rituais de limpeza para poder intensificar os trabalhos de evolução, o alinhamento com as energias de sanidade.

Para estas mesmas culturas, quando alguém é acometido de algum mal, a pessoa se sente grata, pois é um momento especial para a realização de uma introspecção e auto-análise.

É hora de saber se o que está acontecendo tem origem psicológica, emocional ou física (ou todas) e desfazer este padrão.

Trata-se de um momento de reflexão: parar, pensar e repensar a vida. Devemos ser gratos a tudo, inclusive àquela parte do corpo que está se sacrificando para ‘ANUNCIAR’.

O trabalho com a desintoxicação é muito simples, o difícil é despertarmos para a responsabilidade consciente de que devemos deixar sair TUDO o que nos impede de crescer. Para tanto, a doença é um grande mestre.

Fonte: Conceição Trucom – mctrucom@docelimao.com.br