O Magnífico poder curativo do áleo de Orégano

O orégano é uma erva nativa na Europa, África e sudoeste da Ásia.

Por ser típica da Turquia, onde é chamada de “kekik”, fomos encontrar neste país os principais produtores de seu óleo essencial. Estudos feitos na Universidade de Anadolu na Turquia usando o Orégano de vaso (Origanum onites) no tratamento de tumores malignos nos pulmões de ratos mostraram que o óleo essencial de orégano não só parou o crescimento dos tumores assim como os fez regredirem em seu tamanho, voltando o tecido pulmonar ao seu estado normal, claro e rosa.

Apesar da pesquisa ter sido feita com ratos, existem grandes evidências para a eficácia do uso do óleo de orégano no tratamento de câncer em humanos. A primeira está justamente em sua composição química. São mais de 40 princípios ativos diferentes, sendo que o principal, presente em torno de 65-80%, seria o carvacrol.

Este composto possui propriedades antibacterianas, anti-inflamatórias, anti-melanômicas, antioxidantes, anti radicais livres, antifúngicas e anticancerígenas, todas comprovadas cientificamente.

Além do carvacrol existiriam mais de 10 compostos (timol, limoneno, etc) presentes no óleo essencial e considerados todos de propriedades antitumorais, anti-carcinogênicas e preventivos do câncer, dados estes obtidos do USDA’s Agriculture Research Service.

Em experiências práticas o orégano têm-se mostrado extremamente eficaz no tratamento de infecções de todos os tipos e processos inflamatórios que incluiriam furúnculos, feridas inflamadas, pneumonia, acne, sinusite, amidalite, artrite, tuberculose, etc, problemas estes, muitas vezes anteriormente tratados com antibióticos alopáticos e não resolvidos.

Hoje, o grande problema destes antibióticos está no fato das bactérias estarem criando resistência a eles. Remédios que a dez anos atrás faziam efeito hoje já não servem para tratar as mesmas doenças.

Mas com óleos essenciais retirados da planta acontece um processo interessante e que vêm sendo estudado: as bactérias e micro-organismos em geral não criam resistência ao longo do tempo.

A explicação para isso estaria talvez no fato do óleo essencial ser proveniente de uma complexa engenharia biológica presente na planta que produz um produto totalmente exclusivo seu, feito especificamente para resistir ao meio ambiente.

Outra explicação estaria no fato de óleos essenciais naturais possuírem uma frequência energética muito alta, o que por observações in vitro comprovou-se ter uma ação inibitória do crescimento de bactérias.

Outras pesquisas sobre o uso do óleo essencial dos oréganos já vieram a comprovar que suas propriedades vão ainda mais longe:

Em 14 pacientes que receberam administração oral de 600mg de óleo de orégano por dia após 6 semanas tiveram um completo desaparecimento de parasitas intestinais como Entamoeba hartmanni, Endolimax nana e Blastocystis hominis.

Também constatou-se, à uma diluição de 2%, completa eliminação em culturas de Candida albicans (Cândida), Enterococcus fecalis, Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus, entre muitos outros.

Em uma observação do centro Aeron de Biotecnologia na Califórnia, constatou-se o potencial de diversas ervas utilizadas como tempero na alimentação terem uma atividade hormonal, auxiliando inclusive no equilíbrio de distúrbios menstruais e tendo uma ação reguladora do crescimento de células cancerosas no útero.

Entre estas cita-se o orégano e mais uma dezena de outras como o tomilho, soja, damiana, verbena, lúpus, etc.

Esta observação soma-se a outra feita sobre os efeitos antioxidantes de ervas empregadas como temperos no Mediterrâneo e que tem ocasionado uma baixa de casos de mortalidade por doenças cardíacas em pessoas que consomem a dieta típica da região.

Em países orientais onde se utilizam muitas ervas como tempero, o índice de distúrbios homonais e cardíacos é bem inferior àquele observado nas pessoas habituadas à típica dieta ocidental.

A Faculdade de Medicina e Farmácia do Marrocos demonstrou uma ação moluscicida dos óleos de orégano (Origanum compactum) e Erva-de-Santa-Maria (Chenopodium ambrosioides) a 2.00-2.23 mg/litro respectivamente, o que acusa a possibilidade do uso dos óleos essenciais destas plantas no combate a lesmas dos jardins.

Também a Faculdade de Farmácia da Turquia demonstrou uma atividade do óleo de orégano (Origanum onites) como efetivo na prevenção do diabetes melitus, e como retardador do desenvolvimento de uma série de complicações advindas com a doença.

Também estudou-se a possibilidade de efeitos do óleo sobre os níveis de glicose do sangue, mas nenhuma alteração neste sentido foi constatada.

Pesquisadores da Universidade de Anadolu na Turquia descobriram a relação entre a atividade analgésica do óleo de orégano com seu teor de carvacrol. Carvacrol é um componente de ação inibitória da síntese de prostaglandinas.

O orégano foi examinado neste estudo comparativamente à morfina. Em um teste padrão conclusivo. Atividades analgésicas (anti-nociceptivas) da morfina, fenoprofeno e óleos essenciais obtidos de oréganos nativos foram comparados.

Os resultados foram chocantes. O óleo de orégano provou ser quase efetivo contra a dor como a morfina e mais efetivo que o fenoprofeno.

Em conclusão, óleos essenciais de oréganos possuem ação analgésica dose-dependente tendo como base o teor de carvacrol.

Outras pesquisas com o orégano mostraram eficácia no tratamento da gengivite e inflamações por uma ação inibitória da síntese de prostaglandinas.

Por fim, não poderíamos deixar de mencionar a necessidade de haver uma distinção das espécies de oréganos. Existem dezenas de plantas com esse nome, algumas nem pertencentes à família das labiatas (às quais os oréganos, manjeronas, tomilhos e manjericões fazem parte), como é o caso do orégano mexicano (Lippia graveolens).

O orégano mexicano possui um óleo essencial composto por 50% de timol, 12% de carvacrol, 9% de p-cimeno e outros terpenóides.

Outro importante fator a ser falado aqui é sobre a importância em saber-se se o óleo de orégano que você tem em mãos possui princípio ativo para aquilo que é indicado.

Existem drásticas diferenças entre os tipos de óleo de oréganos e a mesma planta poderá produzir óleos essenciais com teores bem diferenciados de compostos como o Origanum vulgare ssp. vulgare que possui óleo essencial com 0.7% até 80% de carvacrol.

Em substituição ao carvacrol poderão surgir outros compostos como timol, linalol, etc. Os melhores óleos possuem teores superiores a 60% de carvacrol. Dentre as espécies existentes temos:

Orégano comum (Origanum vulgare ssp. vulgare)

Também conhecido como orégano selvagem é o mais comum de todos comumente empregado em pizzas. Para aquilo que o orégano é normalmente indicado, este deve possuir uma porcentagem de no mínimo 60% de carvacrol, para que sua ação anti-microbial, anti-inflamatória e anti-carcinogência esteja presente.

Alguns óleos desta espécie, como o proveniente da Espanha e com baixo teor de carvacrol (0.5-0.7%), possuem timol substituindo este componente, fazendo com que o óleo de orégano se assemelhe em muito, não só em cheiro mas também em indicações, ao óleo de tomilho.

A planta seca possui em torno de 5% de óleo essencial.

Orégano selvagem e orégano lavanda (Origanum dubium var.carvacrol , var. linalol )

O óleo essencial deste tipo de orégano, apresenta-se com duas variedades químicas naturais, o quimiotipo carvacrol, muito semelhante ao orégano comum inclusive em teores de pricípios ativos, e o quimiotipo linalol, o que faz que este último seja conhecido na Turquia como “lavanta kekik” (orégano lavanda).

Os turcos normalmente preferem este óleo como remédio caseiro, por possuir um aroma mais agradável do que o do óregano comum e possuir duplo efeito terapêutico. Ele possui alto teor de carvacrol, assim como de linalol (um componente típico da lavanda que lhe traz propriedades calmantes, citofiláticas e sedativas).

É endémico da Turquia somente existindo numa pequena região do sudeste e em nenhuma outra parte do mundo. É excelente para inalações, em problemas de pele, infecções e inflamações em geral, como antisséptico e estimulante do sistema imunológico.

O orégano selvagem possui aroma picante, ao mesmo tempo que herbáceo, já o orégano lavanda, um aroma que lembra o óleo de pau-rosa e possui usos similares ao tomilho QT linalol ou tomilho serpolet (Thymus serpyllum).

Orégano de vaso (Origanum onites = Majorana onites)

Conhecido também como manjerona de vaso (“pot marjoram”) ou manjerona francesa, possui flores de coloração branca ou roxa.

Este tipo de orégano tem sido utilizado em pesquisas no tratamento de câncer, mas por similitude química, os outros oréganos com um alto teor em carvacrol possuirão propriedades bem semelhantes. Seu aroma é tipicamente picante.

Orégano da Turquia (Origanum vulgare ssp. hirtum)

Este seria o melhor tipo de orégano para pizzas. Somente floresce no verão na Turquia e suas flores são de cor branca. Seu aroma é forte, quente e penetrante.

Suas folhas secas possuem cerca de 3% de óleo essencial, dependendo das condições de cultivo e ambientais. Possui alto teor em carvacrol (80%).

Dificilmente é encontrado no comércio seu óleo essencial, dado inclusive à sua limitação geográfica (somente existe na Turquia).

Manjerona (Origanum majorana = Majorana hortensis)

A manjerona foge justamente do forte aroma dos oréganos, apesar de pertencer à mesma família, é de cheiro mais suave, calmante e relaxante. Possui insignificantes flores brancas ou rosas que se abrem em meio ao verão.

Esta espécie é encontrada em várias partes do mundo e, países como a Turquia, Índia, França, Inglaterra e Egito, são responsáveis pela produção de seu óleo essencial. Possui ação anti-inflamatória, sedativa e calmante dos nervos.

É normalmente indicado no tratamento de distúrbios menstruais (TPM, cólicas), digestivos (fígado) e respiratórios (tosse).

Seu aroma traz uma sensação de conforto e harmonia, por isso é considerado um óleo de qualidades anti-stress. Anti-bacteriano e anti-fúngico forte e de boa eficácia.

Possui teor alto de terpinen-4-ol (cerca de 25-30%), principal componente responsável pelas propriedades antibióticas do óleo de tea tree.

Em caso de necessidade a manjerona pode ser uma substituta para o óleo de tea tree apresentando resultados tão bons quanto este contra infecções e com a facilidade de ser mais tolerável pelas pessoas devido ao seu aroma mais delicado.

Outras espécies da família dos oréganos seriam: Origanum vulgare ssp. viride, O. vulgare ssp. compactum, O. dictamnus, O. laevigatum, O. vulg. ssp. variegatum, O. vulg. ssp. aureum, etc. Também existem parentes próximos e plantas com o mesmo nome: Thymus capitatus (Orégano espanhol), Timbra (Thymbra spicata), etc.

Autor
Fabian Laszlo
Cientista aromatólogo

Estes óleos essenciais você encontra na

LASZLO
www.laszlo.ind.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *