Saúde,  Uncategorized

A Deficiência Crônica de Vitamina D Contribui para o Ganho de Peso Conforme a Idade

Quanto de Vitamina D Precisamos Tomar

Em um estudo publicado no Journal of Women’s Health em Junho de 2012 , uma equipe de pesquisa descobriu que uma ingestão adequada de nutrientes é essencial para o funcionamento metabólico.

Enquanto a vitamina D tem demonstrado afetar o funcionamento de muitos sistemas do corpo, este estudo demonstrou que a baixa ingestão devitamina D está associada com o aumento do peso corporal em mulheres idosas.

Embora não esteja claro se existe uma relação causal, ou se houver, em que direção, os pesquisadores deram a impressão que deficiências do nutriente podem suprimir as funções das células.

Tudo funciona melhor sob os raios UVB

Há também uma forte correlação entre os níveis de vitamina D e a incidência e a intensidade da depressão psicológica.

Ela também tem forte ligação causal, visto que os sintomas depressivos podem ser remediados, aumentando os níveis de vitamina D. O equilíbrio do corpo, é claro, tem uma grande influência sobre o bem-estar psicológico e emocional.

Magra como um raio de sol

O estudo analisou cerca de 5000 mulheres com idade superior a 65. Cinco anos após o estudo ser iniciado, os pesquisadores notaram que as mulheres que tinham começado com baixa vitamina D também foram mais propensas, até mesmo pela marca de cinco anos, a ter ganhos de peso mais rapidamente do que as mulheres que receberam suas necessidades de vitaminas.

A Dra. Erin LeBlanc é especializada em endocrinologia – o estudo do funcionamento hormonal – do Kaiser Permanente Center for Health Research.

Ela indicou que uma deficiência crônica pode causar um aumento constante de peso. Isto pode fornecer a chave para tanto detectar uma deficiência como também para superar dificuldades com o peso.

As participantes do estudo que tiveram uma suplementação de vitamina D estavam na verdade, em média, 3,5kg mais pesadas ??no início do estudo, mas ganharam menos peso ao longo do estudo.

Ao final do experimento, as mulheres com ingestão insuficiente de vitamina D tinham ganho uma média de quase um quilo a mais por ano.

A suplementação de vitamina D é ao ar livre

Mais de 90% da suplementação de vitamina D do corpo é feita a partir da exposição ao sol, e muito poucas fontes alimentares estão disponíveis.

Conforme as pessoas envelhecem, elas muitas vezes levam estilos de vida cada vez mais dentro de casa, e a falta de exposição ao sol pode contribuir para esta comum deficiência. Dos participantes do estudo, 80 por cento não tinham quantidade suficiente de vitamina D no sangue.

A Endocrine Society afirma que muitos idosos precisam aumentar a ingestão de vitamina D a fim de se protegerem contra fraturas e fragilidade óssea.

Isto é particularmente importante entre as mulheres que já passaram da menopausa. A diminuição dos níveis de estrogênio corresponde a uma diminuição na densidade óssea.

Quanto de Vitamina D Precisamos Tomar?

Uma nova pesquisa constatou que as recomendações atuais de ingestão de vitamina D são muito baixas e que o peso corporal deve ser levado em conta para se determinar a dose adequada para cada indivíduo.

O estudo foi realizado pela The Pure North S’Energy Foundation, uma ONG canadense que utiliza suplementos nutricionais baseados em evidências científicas, para a prevenção de doenças crônicas. Atualmente ela é a maior organização sem fins lucrativos do Canadá, focada na prevenção primária.

Eles estudaram o efeito combinado da suplementação da vitamina D e do peso corporal sobre a vitamina D e o cálcio séricos em uma grande população, com 17.614 adultos saudáveis.

Os participantes relataram a suplementação de vitamina D variando de 0 a 55.000 UI por dia e tinham níveis séricos variando de 4 a 157,6 ng/mL.

Nenhum aumento no risco de hipercalcemia foi observado com o aumento da suplementação de vitamina D. Os autores recomendam que as diretrizes clínicas para a suplementação de vitamina D sejam específicas para o peso normal, sobrepeso e obesos.

Eles concluíram dizendo:

As recomendações nacionais atuais sobre as doses de vitamina D3 são demasiadamente baixas para atingir níveis séricos de 25(OH)D acima de 60 ng/mL. Nossa pesquisa usou valores de doses para atingir níveis  séricos alvos de 25(OH)D de 60 ng/mL, que são mais altos que o nível de ingestão tolerável pela Saúde do Canadá, de 4.000 UI/dia. Isso demonstra que a suplementação de vitamina D3 de pelo menos 15.000 UI/dia não representa um risco aumentado para efeitos adversos.

Nota Notícias Naturais: obviamente se alguém tem a possibilidade de tomar sol diariamente e apresenta um nível razoável de vitamina D (o que é também objeto de discussão), não existe necessidade de suplementar.

Mas como muitos estudos demostram que a maioria da população mundial é deficiente desta vitamina, é importante saber quanto é necessário tomar. Uma pena que a Anvisa não permitiu até hoje nenhum registro de vitamina D acima de 300 UI, uma quantidade ridiculamente pequena perto do que é apresentado como seguro no estudo acima.

Fonte:http://www.noticiasnaturais.com/

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »