Espiritualidade

Cuidado com o que pensa

A linguagem dirige os nossos pensamentos para direções específicas e, de alguma maneira, ajuda-nos a criar a nossa realidade, potencializando ou limitando as nossas possibilidades.

A habilidade de usar a linguagem com precisão é essencial para nos comunicarmos melhor.

A seguir estão algumas palavras e expressões a que devemos estar atentos quando falamos, porque nos podem atrapalhar:

1) Cuidado com a palavra NÃO, a frase que contém “não”, para ser compreendida, traz à mente o que está junto com ela.

O “não” existe apenas na linguagem e não na experiência. Por exemplo, pense em “não”… (não vem nada à mente).

Agora vou pedir-lhe “não pense na cor vermelha”, eu pedi para não pensar no vermelho e você pensou. Procure falar no positivo, o que você quer e não o que você não quer;

2) Cuidado com a palavra MAS, que nega tudo que vem antes. Por exemplo, “o Pedro é um rapaz inteligente, esforçado, mas…..”. Substitua MAS por E quando indicado;

3) Cuidado com a palavra TENTAR que pressupõe a possibilidade de falha. Por exemplo, “vou tentar encontrar-me contigo amanhã às 8 horas”. Tenho grande hipótese de não ir, pois, vou “tentar”. Evite “tentar”, FAÇA;

4) Cuidado com as palavras DEVO, TENHO QUE ou PRECISO, que pressupõem que algo externo controla a sua vida. Em vez delas, use QUERO, DECIDO, VOU;

5) Cuidado com NÃO POSSO ou NÃO CONSIGO, que dão a ideia de incapacidade pessoal. Use NÃO QUERO, DECIDO NÃO, ou NÃO PODIA, NÃO CONSEGUIA, que pressupõe que vai poder ou conseguir;

6) Fale dos problemas ou das descrições negativas de si mesmo utilizando o verbo no tempo passado. Isto libera o presente. Por exemplo, “eu tinha dificuldade de fazer isso”;

7) Fale das mudanças desejadas para o futuro utilizando o tempo presente do verbo. Por exemplo, em vez de dizer “vou conseguir”, diga “estou a conseguir”;

8) Substitua SE por QUANDO. Por exemplo, em vez de falar “se eu conseguir ganhar dinheiro vou viajar”, fale “quando eu conseguir ganhar dinheiro vou viajar”. Quando pressupõe que você está a decidir;

9) Substitua ESPERO por SEI. Por exemplo, em vez de falar, “eu espero aprender isso”, fale: “eu sei que eu vou aprender isso”. Esperar suscita dúvidas e enfraquece a linguagem;

10) Substitua o CONDICIONAL pelo PRESENTE. Por exemplo, em vez de dizer “eu gostaria de agradecer a vocês”, diga “eu agradeço a vocês”. O verbo no presente fica mais concreto e mais forte.

OBJETIVOS E PROBLEMAS

Resultados, alvos, metas, objetivos todas essas palavras expressam a idéia de ir daqui para lá – de uma situação presente que está, de certa maneira, insatisfatória para uma situação desejada melhor que a atual.

Um objetivo não é o mesmo que uma tarefa.

Um objetivo ou resultado é o que quer.

Uma tarefa é o que tem que fazer para alcançá-lo.

Existem dois aspectos em relação aos objetivos:

– Reflexão sobre o objetivo – decidir o que quer numa dada situação.

– Orientação para o objetivo – pensar consistentemente nos objetivos e assim ter uma direção geral e um propósito na vida. Até saber o que quer, o que fizer será a mesmo e os seus resultados serão aleatórios. A reflexão sobre o objetivo dá-lhe controle sobre para onde se dirige e é essencial na empresa.

A reflexão sobre o objetivo muda a pergunta de O que está errado?” para “O que eu quero?”

A reflexão sobre o objetivo é mais do que uma reflexão sobre a solução. Uma vez que definiu o problema, isso leva-o em direção à solução de uma maneira estruturada.

Perguntas com uma orientação para o objetivo são:

– O que é que quer?

– O que é que quer ao invés da situação atual?

– Que recursos é que tem?

– Como é que se sentirá quando resolver o problema?

O oposto de pensar no objetivo é pensar na situação a ser resolvida. Isso concentra-o no que está errado. Muitas pessoas ficam perdidas num labirinto de problemas, buscando a história, custo, consequências e quem é o culpado.

Pensar no problema gera perguntas como:

– O que está errado?

– Quão grande é esse problema?

– Há quanto tempo o problema está a acontecer?

– Porque é que não o resolveu ainda?

– Porque é que o tolera?

– Qual é o pior exemplo desse problema?

– De quem é a culpa?

Essas perguntas ou focalizam no passado ou no presente. Elas também fazem com que a pessoa fique completamente associada ao problema e se sinta mal com isso.

Focalizar no problema, frequentemente, induz a um estado sem recursos que o torna ainda mais difícil de lidar.

Focalize no que deseja e o universo irá conspirar para que o consiga.

Mas tem que acreditar.

Pulicado por: Hugo Lechuga Arteiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »