Novembro é o mês da herança indígena americana, que celebra os nativos americanos, os nativos do Alasca e os havaianos nativos.

Atualmente, existem 573 nações indianas reconhecidas pelo governo federal nos Estados Unidos. Cerca de 229 dessas diversas nações são nativas do Alasca, e o restante está localizado em outros 35 estados.

De acordo com um consenso de 2017, existem 1,5 milhões de havaianos nativos sozinhos ou em combinação com outra raça que reside nos Estados Unidos.

Não precisamos viajar muito longe para encontrar tradições xamânicas e remédios de plantas como o peiote e o san pedro, porque estão enraizados nesta terra, em uma crença.

Toda a criação está interconectada, e a saúde física e espiritual está entrelaçada.

O ritual mantém esses laços. Ao falar sobre essas comunidades, elas merecem reconhecimento, gratidão e especificidade; no que diz respeito à riqueza e diversidade de suas culturas individuais.

Em homenagem a isso, esta é uma tradição durona e bela, radical e evoluída que enquadra a reconciliação e o perdão como um ato de cura: a tradição Ho’oponopono do Havaí.

Embora tenha acumulado popularidade nos últimos anos como um ritual de perdão, o conceito é mais complexo e matizado do que isso.

A palavra ho’oponopono se traduz em “trazer retidão” e envolve a recitação de quatro frases: “Eu te amo, desculpe, obrigado, por favor, me perdoe”.

Tradicionalmente, era realizada por padres dentro de famílias, mas recentemente empregado pelo sistema judiciário havaiano como método alternativo de resolução de conflitos.

Essencialmente, o problema de uma pessoa se torna responsabilidade da comunidade e juntos, às vezes com a orientação dos mais velhos, resolvem o conflito.

O ato de reconciliação não é uma correção da noite para o dia ou “woo-woo”, mas decorre da ideia de que manter relações harmoniosas é vital, seja entre nossos entes queridos, o meio ambiente ou os ancestrais.

Essa prática veio de uma necessidade básica. As pessoas viviam em locais próximos e com recursos limitados.

Eles tiveram que trabalhar juntos. Ho’oponopono era um medicamento preventivo.

Ou seja, algumas famílias fariam isso regularmente para manter seus relacionamentos em boa saúde.

Era também um método usado para curar problemas ou doenças, acreditando que ambos resultam de “erros de pensamento” e conflitos não resolvidos dentro do eu.

Cada pessoa diria essas frases uma para a outra, mas também para si mesma. Quando perdoamos alguém, também estamos perdoando a nós mesmos?

Ao curar a nós mesmos, isso ressoa no mundo ao nosso redor? Sim. Além disso, porém, o perdão e a reconciliação são um valor comum na cultura havaiana, mantida por todos os envolvidos.

Cada pessoa assume total responsabilidade pelas ações de todos, não apenas por elas próprias, entendendo que, se algo ocorre na realidade de uma pessoa, ele a criou.

Assim, tanto as vítimas como os autores de qualquer erro cometido ao perdoar a si mesmos cortaram os laços do conflito e todos avançaram.

Foi então que a cura real poderia ocorrer.

Como um ritual de auto-perdão, ou assumir a responsabilidade pela própria experiência, ou uma maneira de curar o mundo através do eu, é poderoso e libertador.

Mas há outra lição nisso: os valores de uma comunidade fazem ou quebram. (E o diálogo aberto funciona).

Ao colocar essa ideia havaiana de justiça restaurativa ao lado da ideia de justiça punitiva de nossa cultura, surge uma pergunta: queremos viver em um mundo de pessoas condenadas ou redimidas? Mastigue isso. Ame, RS

Direitos autorais © Reality Sandwich

Read more at:

“I love you, I’m sorry, thank you, please forgive me.”