Espiritualidade,  Uncategorized

Mensagem de Arthrathon – Sem santos ou pecadores. Apenas unidos, Irmãos em Luz.

Sem santos ou pecadores. Apenas unidos, Irmãos em Luz.  Mensagem de Arthrathon  Transmitida a Maria Clara  04-04-2014  “Acalma-te! O Mundo não acaba, nem aí nem Aqui! 
Somos Infinitos e infindáveis.
Arthrathon Eu Sou.  Transportas a Verdade mas a equação não se te está a encaixar. 
A Verdade vibra mas não como queres ou gostas.
A tua verdade tem caminho a desbravar. Estás também a testar-te.
Mas sabes já não haver limites.
Quando encontram limites, eles são porta para outros caminhos, outras descobertas.  Descarrega, entrega à Terra essa energia que sentes e te/vos pesa.
Como se espremesses um limão ácido que arde...
Deixa, deixem sair tudo isso. Que bonito! 
Porque escolheram o que não importa, vivendo-o primeiro, identificando o que vos acidifica a vida..
Que a vossa vida seja mel, puro e a escorrer em vós.
Drenem de vós o que não interessa.  E esse cansaço que sentes e sentem são acomodações celulares.
Mas descansem. Todos e cada um de vós tem o seu limiar de cansaço. 
E não são mais ou menos fortes por isso.
Muitas vezes, as vossas células limpam-se a si próprias, elevando a sua vibração mas limpam também o que está ao seu redor.
E cada um cansa-se na medida daquilo que escolhem trazer à experiência.
Nenhum mais importante que outro.
Sem santos ou pecadores.
Apenas unidos, Irmãos em Luz.  Descansa! O que temos falado? Descansa! Não é fragilidade... É talvez força.
A Verdade é reveladora, pode também incomodar, de tão pura ou direta.
Mas já o sabeis, Verdade é também Prisma, multifacetado e todo ele manifestação da verdadeira existência.  Todos trazem uma espécie de carroça. Viste agora a tua, que carregada!
Mas não estás só, a puxá-la. Ao teu lado Estou. Estamos agora a subir o monte...
Sabes que a carroça é analogia...
E tantos a dizer adeus! A incitar e festejar.
De vez em quando, pontapé em pedras...
Mas sabes que a tua carroça não desliza em relva, apenas em estrada de cascalho. É nesta estrada que precisas e escolheste estar.
Por isso, ao teu lado Estou, porque quem caminha nesta estrada espera por ti. Estão todos por aí...
Ir-te-ia aborrecer a relva...
Não és de lagoas, és de ribeiras de águas correntes...  E nunca paraste, sempre caminhaste.
Não é agora uma desistência, é uma paragem; descansa.
Toda a carroça está oleada, até já mais leve.  Por vezes, Sentir pode ser peso, porque tudo o que rodeia deixa de se conseguir sentir como se sentia.
Respeitem quem Sente, porque se estão a respeitar a vós!
Quem Sente pode não sentir apenas o Belo...
Quem Sente, sente em si também o que não é seu... 
E as mágoas dos outros doem...
E as dores dos outros doem...
E a raiva dos outros insulta...
Quem Sente, sente tudo ampliado. Porque o seu coração ecoa.
Quem Sente é livre e feliz também por isso.
Quem Sente está mais perto do Todo!
Quem Sente voa com os pés no chão porque é a Alma que se liberta!
Quem Sente, sente-nos e está em Nós!
Quem Sente, partilha com o seu Amor.
E o Amor manifesta-se no Todo.
E o Amor manifesta-se de infindáveis maneiras.  Esqueci de te dizer/lembrar que este caminho pode ter torções nos pés mas a cura é mais rápida.
Porque sabes que neste caminho não é preciso andar, apenas Ser. Apenas dar. Apenas receber.
E o teu caminho é teu, o teu percurso é teu, que ninguém se te atravesse nele nem nos teus sonhos.
Porque quando sonhas, voas. Como eu voei.
E quando voas, o caminho, a carroça, não pesam.
Assim É!  Sou Eu! Eu Sou Arthrathon e fiquei em vós para que despertem de vós mesmos, todos, e se lembrem de quem São e o que já fizeram.
São magníficos!
São Infinitos.
Apenas São...  Ao teu lado! Nem em cima nem em baixo.
Ao teu lado Estamos.
Assim É!
(Quando vacilas, estás a sacudir poeiras...)”  Arthrathon
Nota: o 'tu' é abrangente  voonaluz.blogspot.com

“Acalma-te! O Mundo não acaba, nem aí nem Aqui!

Somos Infinitos e infindáveis.
Arthrathon Eu Sou.

Transportas a Verdade mas a equação não se te está a encaixar.
A Verdade vibra mas não como queres ou gostas.
A tua verdade tem caminho a desbravar. Estás também a testar-te.
Mas sabes já não haver limites.
Quando encontram limites, eles são porta para outros caminhos, outras descobertas.

Descarrega, entrega à Terra essa energia que sentes e te/vos pesa.
Como se espremesses um limão ácido que arde…
Deixa, deixem sair tudo isso. Que bonito!
Porque escolheram o que não importa, vivendo-o primeiro, identificando o que vos acidifica a vida..
Que a vossa vida seja mel, puro e a escorrer em vós.
Drenem de vós o que não interessa.

E esse cansaço que sentes e sentem são acomodações celulares.
Mas descansem. Todos e cada um de vós tem o seu limiar de cansaço.
E não são mais ou menos fortes por isso.
Muitas vezes, as vossas células limpam-se a si próprias, elevando a sua vibração mas limpam também o que está ao seu redor.
E cada um cansa-se na medida daquilo que escolhem trazer à experiência.
Nenhum mais importante que outro.
Sem santos ou pecadores.
Apenas unidos, Irmãos em Luz.

Descansa! O que temos falado? Descansa! Não é fragilidade… É talvez força.
A Verdade é reveladora, pode também incomodar, de tão pura ou direta.
Mas já o sabeis, Verdade é também Prisma, multifacetado e todo ele manifestação da verdadeira existência.

Todos trazem uma espécie de carroça. Viste agora a tua, que carregada!
Mas não estás só, a puxá-la. Ao teu lado Estou. Estamos agora a subir o monte…
Sabes que a carroça é analogia…
E tantos a dizer adeus! A incitar e festejar.
De vez em quando, pontapé em pedras…
Mas sabes que a tua carroça não desliza em relva, apenas em estrada de cascalho. É nesta estrada que precisas e escolheste estar.
Por isso, ao teu lado Estou, porque quem caminha nesta estrada espera por ti. Estão todos por aí…
Ir-te-ia aborrecer a relva…
Não és de lagoas, és de ribeiras de águas correntes…

E nunca paraste, sempre caminhaste.
Não é agora uma desistência, é uma paragem; descansa.
Toda a carroça está oleada, até já mais leve.

Por vezes, Sentir pode ser peso, porque tudo o que rodeia deixa de se conseguir sentir como se sentia.
Respeitem quem Sente, porque se estão a respeitar a vós!
Quem Sente pode não sentir apenas o Belo…
Quem Sente, sente em si também o que não é seu…
E as mágoas dos outros doem…
E as dores dos outros doem…
E a raiva dos outros insulta…
Quem Sente, sente tudo ampliado. Porque o seu coração ecoa.
Quem Sente é livre e feliz também por isso.
Quem Sente está mais perto do Todo!
Quem Sente voa com os pés no chão porque é a Alma que se liberta!
Quem Sente, sente-nos e está em Nós!
Quem Sente, partilha com o seu Amor.
E o Amor manifesta-se no Todo.
E o Amor manifesta-se de infindáveis maneiras.

Esqueci de te dizer/lembrar que este caminho pode ter torções nos pés mas a cura é mais rápida.
Porque sabes que neste caminho não é preciso andar, apenas Ser. Apenas dar. Apenas receber.
E o teu caminho é teu, o teu percurso é teu, que ninguém se te atravesse nele nem nos teus sonhos.
Porque quando sonhas, voas. Como eu voei.
E quando voas, o caminho, a carroça, não pesam.
Assim É!

Sou Eu! Eu Sou Arthrathon e fiquei em vós para que despertem de vós mesmos, todos, e se lembrem de quem São e o que já fizeram.
São magníficos!
São Infinitos.
Apenas São…

Ao teu lado! Nem em cima nem em baixo.
Ao teu lado Estamos.
Assim É!
(Quando vacilas, estás a sacudir poeiras…)”

Arthrathon
Nota: o 'tu' é abrangente

Transmitida a Maria Clara

voonaluz.blogspot.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »