Em excesso o álcool é prejudicial à saúde e capaz de atrapalhar o desempenho de quem pratica atividades físicas. Mas, com moderação, algumas bebidas alcoólicas podem sim trazer benefícios para quem as consome, e o vinho tinto, presente na mesa de muitos brasileiros na Páscoa, aparece no topo dessa lista.

O motivo é simples. De acordo com a nutricionista Cristiane Perroni, a ingestão moderada tem sido correlacionada com a melhora da sensibilidade à insulina, longevidade, efeito cardioprotetor com aumento do HDL, redução do colesterol total e LDL, estímulo à vasodilatação e enzimas antioxidantes e diminuição da agregação plaquetária.

O vinho é uma bebida alcoólica resultante da transformação biológica da uva, fermentação alcóolica parcial ou total da uva. A recomendação médica para consumo é de até 30g de álcool por dia para os homens (cerca de 330ml ou duas taças) e 15g para as mulheres (165ml ou uma taça). O valor energético de 165ml de vinho tinto é de cerca de 140 calorias.

Uma taça de vinho tinto tem cerca de 140 calorias (Foto: Eu Atleta | Arte | fotos: arquivo pessoal)

Uma taça de vinho tinto tem cerca de 140 calorias (Foto: Eu Atleta | Arte | fotos: arquivo pessoal)

Estudos indicam ainda que a ingestão moderada de até 30g de álcool por dia não tem correlação com aumento da gordura abdominal. Entretanto, o consumo maior do que 48g de álcool/dia de qualquer bebida alcóolica pode sim influenciar nesse aumento.

Confira algumas substâncias que compõe o vinho:

– Água: representa 80% de seu volume.

– Álcool: pode variar de 6% a mais de 20%, produzido a partir da fermentação dos açúcares da uva por leveduras.

– Glicerina ou glicerol: sua quantidade no vinho varia entre os 5 e 12g/l. Trata-se de álcool trivalente e grande responsável pela maciez do vinho, diminuindo a acidez e adstringência.

– Ácidos orgânicos: uns são provenientes da uva – como os ácidos tartárico, málico e cítrico – e outros resultantes da fermentação, como o succínico, o láctico e o acético.

– Açúcar residual (AR): varia de acordo com o tipo de vinho ou mercado a que se destina. O açúcar residual é aquele que não foi transformado em álcool e é representado pela frutose e glicose. Para cada grau alcoólico são necessários 17 gramas de açúcar por litro.

– Polifenóis: catequina, epicatequina, quercetina, ácido elágico, antocianinas e resveratrol. Potentes antioxidantes com grande ação cardioprotetora. O resveratrol possui ação na prevenção de aterosclerose, pela diminuição da agregação plaquetária, tendo ação cardioprotetora, neuroprotetora, antienvelhecimento e anticancerígena.

Beba com moderação.

Literatura:

MARTINS, P.P.; NICOLETTI, M.A. Polifenóis no vinho: resveratrol e seus benefícios. revistas.cff.org.b.

SÉFORA-SOUZA, M.; DE ANGELIS-PEREIRA, M.C. Mecanismos moleculares de ação anti-inflamatória e antioxidante de polifenóis de uvas e vinho tinto na aterosclerose. Rev. bras. Plantas med. v.15 n.4 Botucatu 2013.

Fonte: https://globoesporte.globo.com/eu-atleta/nutricao/noticia/protege-o-coracao-reduz-o-colesterol-veja-os-beneficios-do-vinho-para-a-saude.ghtml