Das plantas até as prateleiras de farmácia. Essa é a visão de pessoas que trabalham com pesquisa científica aplicada com plantas medicinais e aromáticas.

No Brasil, temos uma enorme biodiversidade que muitas vezes é negligenciada por nossos pesquisadores por falta de estímulos e incentivos à pesquisa.

Na Europa, essas pesquisas aplicadas são muito mais desenvolvidas e um belo exemplo disso é o Pinus pinaster, que é originário do velho mundo e Mediterrâneo.

Através do extrato feito a partir das cascas desse pinheiro, foi isolado o Pycnogenol ou Picnogenol, que deu origem a vários suplementos alimentares e tem inúmeras funções farmacológicas no organismo, como por exemplo:

– Protege o organismo dos radicais livres;

– Apresenta ação antioxidante contra placa ateromatosa, através da supressão da oxidação do LDL nos vasos;

– Aumenta a resistência vascular selando as paredes dos vasos danificados;

– Aumenta a resistência capilar, aumentando a microcirculação;

– Reduz a agregação plaquetária prevenindo a formação de trombose.

Vários estudos comprovam esses efeitos, como por exemplo:

Belcaro G. et al. Prevention of Venous Thrombosis and Thrombophlebitis in Long-Houl Flights with Pycnogenol® . Clin Appl Thrombosis/Hemostasis.10 (4): 373-377, 2004.

Além disso, a partir das acículas da mesma planta, pode-se obter o óleo essencial que é rico em mirceno, alfa e beta pineno e cariofileno. Esses componentes são excelentes fungicidas, bactericidas e podem ser utilizados como anti-inflamatórios e anticarcinogênicos; mostrando a versatilidade das plantas medicinais e aromáticas, associadas á uma pesquisa bem feita.

Fonte: Ficha técnica do medicamento FLEBON®