Pesquisa americana reforça que a arte marcial chinesa ajuda a tratar a doença que causa dores crônicas

 (Ulza/Thinkstock/Getty Images)

Alguns trabalhos científicos já demonstraram que praticar tai chi chuan é indicado para pessoas com fibromialgia, doença crônica que causa dores no corpo, principalmente em articulações, músculos e tendões.

Mas os estudos que apontaram esses benefícios da arte marcial chinesa eram pequenos e precisavam ser comprovados por artigos mais robustos. É o caso de uma pesquisa das universidades Tufts e Brown, ambas nos Estados Unidos, publicada no último dia 22 de março no periódico BMJ.

A ideia dos cientistas era comparar os efeitos do tai chi e de exercícios aeróbicos em pacientes com a síndrome. Atividades como caminhada e bicicleta costumam ser indicadas no tratamento da fibromialgia. Será que a arte marcial, de fato, tem o mesmo efeito?

Para fazer essa investigação, os experts recrutaram 226 adultos na faixa etária dos 52 anos. Todos conviviam com a doença há nove anos, em média.

Os participantes foram aleatoriamente selecionados em diferentes grupos: um que seguiu treinos cardiovasculares duas vezes por semana, durante seis meses; e outros quatro que fizeram aulas de 60 minutos de tai chi uma ou duas vezes na semana, durante quatro ou seis meses.

Ao final de 24 semanas, os estudiosos analisaram as melhorias dos voluntários baseados em questionários que avaliavam dor, cansaço, depressão, ansiedade e bem-estar geral. Houve avanços nas cinco turmas, mas quem praticou tai chi teve resultados mais positivos do que aqueles que fizeram atividades aeróbicas. As vantagens foram notadas principalmente quando a modalidade com movimentos de luta era praticada por, no mínimo, seis meses.

A conclusão dos experts é que, sim, a arte marcial pode ser efetiva contra a fibromialgia – até mais do que os aeróbicos. Então, se você sofre com esse problema e não se anima em caminhar, nadar ou correr, experimente a modalidade. Quem sabe você não encontra, de quebra, seu novo amor fitness?