Pesquisadores argumentam que civilização extraterrestre avançada pode ser capaz de se comunicar através de feixes de neutrinos, transmitidos por constelações de satélites em torno de estrelas de nêutrons ou buracos negros .

Em 1960, o famoso físico teórico Freeman Dyson fez uma proposta radical. Em um artigo intitulado “Busca por Fontes Estelares Artificiais de Radiação Infravermelha”, ele sugeriu que inteligências extraterrestres avançadas (ETIs) poderiam ser encontradas procurando sinais de estruturas artificiais tão grandes que abrangessem sistemas estelares inteiros (megaestruturas). Desde então, muitos cientistas criaram suas próprias idéias para possíveis megaestruturas.

Como a proposta esfera de Dyson, essas ideias foram sugeridas como uma forma de dar aos cientistas envolvidos na Busca por Inteligência Extraterrestre (SETI) algo para procurar. Somando-se a este campo fascinante, o Dr. Albert Jackson da empresa de tecnologia Triton Systems, de Houston, recentemente divulgou um estudo onde ele propôs como uma ETI avançada poderia se basear em uma estrela de nêutrons ou buraco negro para focar feixes de neutrinos para criar um farol.

Resumindo brevemente, a existência de megaestruturas depende inteiramente de onde uma civilização extraterrestre se encaixaria na Escala de Kardashev (isto é, se elas são uma civilização planetária, estelar ou galáctica).

Nesse caso, Jackson sugere que uma civilização do Tipo II seria capaz de envolver uma estrela de nêutrons ou um buraco negro através da criação de uma grande constelação de satélites transmissores de neutrinos.

Dr. Jackson começa seu estudo com uma citação do ensaio de 1966 de Freeman Dyson, “A Busca por Tecnologia Extraterrestre”, onde ele resumiu seus objetivos:

“Então a primeira regra do meu jogo é: pense nas maiores atividades artificiais possíveis com limites pelas leis da física e procure por elas.”

Em um estudo anterior, o Dr. Jackson sugeriu como as ETIs avançadas poderiam usar pequenos buracos negros como lentes gravitacionais para enviar sinais de ondas gravitacionais através da galáxia.

Esse conceito se baseia em trabalhos recentes de outros pesquisadores que sugeriram que as ondas gravitacionais (GWs) – que se tornaram o foco de pesquisas consideráveis ​​desde que foram detectadas pela primeira vez em 2016 – poderiam ser usadas para transmitir informações.

Em outro artigo, ele também aventou como uma civilização suficientemente avançada poderia usar o mesmo tipo de lente para criar um farol laser.

Em ambos os casos, os requisitos tecnológicos seriam espantosos e exigiriam infraestrutura em escala estelar.

Levando isso um passo adiante, Dr. Jackson explora a possibilidade de neutrinos serem usados ​​para transmitir informação, uma vez que, como os GWs, viajam bem através do meio interestelar.

Em comparação com feixes concentrados de fótons (também conhecidos como lasers), os neutrinos têm uma série de vantagens no que diz respeito aos faróis. Como o Dr. Jackson disse ao Universe Today via e-mail:

“Neutrinos chegam quase sem atenuação de qualquer direção de origem, isso teria [uma] grande vantagem no plano galáctico.

Fótons em comprimentos de onda como o infravermelho também são bons com gás e poeira (por que o Webb é um osciloscópio de infravermelho) ainda há alguma absorção.

Os neutrinos podem viajar pelo universo quase sem absorção”.

Quanto ao processo através do qual o farol poderia ser criado, Jackson mais uma vez se refere à regra orientadora de Freeman Dyson sobre como as ETIs poderiam criar qualquer tipo de megaestrutura.

Essa regra é simplesmente: “se a física permitir, é tecnologicamente possível”. No caso de uma civilização Tipo II, os requisitos de engenharia estariam além de nossa compreensão, mas o princípio permanece sólido.

Basicamente, o conceito tira proveito de um fenômeno conhecido como lente gravitacional, onde os cientistas confiam na presença de um objeto intermediário para focalizar e ampliar a luz vinda de um objeto mais distante.

Neste caso, a fonte de luz seria neutrinos, e o efeito de focá-los criaria um sinal de baliza mais forte. Como Jackson explicou:

“Coloque uma fonte de neutrinos em órbita sobre um buraco negro ou uma estrela de nêutrons.

O buraco negro ou estrela de nêutrons são melhores porque são objetos muito compactos.

Um buraco negro ou estrela de nêutrons é uma lente gravitacional, essa lente focaliza os neutrinos (pode ser fótons ou gravitons) em um feixe intenso. Este feixe quando visto à distância é tão “apertado” que é preciso colocar uma constelação de “transmissores” de neutrinos em torno da lente gravitacional para obter um transmissor isotrópico aproximado.

Neste caso, o número de ‘transmissores’ é de cerca de [1018], ou cerca de um bilhão de vezes o número de estrelas na Via Láctea.”

Assim como a construção de uma Esfera de Dyson, esse tipo de empreendimento de engenharia só seria possível para uma espécie que efetivamente tivesse se tornado uma civilização do Tipo II.

Em outras palavras, uma civilização capaz de aproveitar e canalizar a energia irradiada por sua própria estrela, que equivale a cerca de 4 × 10 33 erg / s (ou 4 × 10 26 watts) de energia – o que é vários trilhões de vezes o que a humanidade atualmente consome anualmente.

Outra possibilidade interessante decorrente disso é suas implicações para o SETI.

Dado que uma espécie extraterrestre suficientemente avançada poderia estar se comunicando via neutrinos, os cientistas poderiam usar detectores existentes para identificar as fontes.

A este respeito, os feixes de neutrinos focados poderiam ser adicionados à lista de possíveis “identificações tecnológicas” – isto é, sinais de atividade tecnológica – sendo procurados pelos pesquisadores do SETI.

“Há uma série de ‘telescópios de neutrinos’ em todo o mundo”, afirmou Jackson. “Se existe um farol de civilização avançada, ele poderia produzir um número muito anômalo de eventos de neutrinos, bem acima das fontes naturais de neutrinos, como o sol ou uma supernova.

Isso seria um acréscimo aos candidatos a sinais de atividade tecnológica avançada.”

Para resumir as coisas com outra citação de um dos famosos ensaios de Dyson:

“Quando olhamos para o universo em busca de sinais de atividades artificiais, é a tecnologia e não a inteligência que devemos procurar. Seria muito mais gratificante procurar diretamente por inteligência, mas a tecnologia é a única coisa que temos alguma chance de ver”.

À medida que aprendemos mais sobre o Universo e nos tornamos mais avançados como espécie, ele abre nossa mente para novas possibilidades na busca contínua da vida.

Se e quando encontrarmos evidências de ETIs, é inteiramente possível que seja porque aprendemos, finalmente, a ler as assinaturas de suas existências corretamente. Enquanto isso, a pesquisa continua…

FONTEAdvanced Civilizations Could be Communicating with Neutrino Beams. Transmitted by Clouds of Satellites Around Neutron Stars or Black Holes [Universe Today]