Um novo e promissor estudo publicado na Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine, intitulado “O efeito do Componente 6-(metilsulfinil) hexil isotiocianato  e derivados do wasabi sobre as células do câncer do pâncreas humano“, revela que a potente mistura da raiz-forte japonesa conhecida como wasabi pode ajudar a combater o letal câncer de pâncreas, atacando a causa raiz da malignidade do câncer e sua resistência ao tratamento convencional.

Uma equipe de pesquisadores de Taiwan estudou os efeitos de um isolado do wasabi que ocorre naturalmente, o composto 6-(metilsulfinil) hexil isotiocianato (6-HITC), e dois de seus derivados sintéticos (I7447 e I7557, respectivamente), sobre as células de câncer pancreático humano.

Eles usaram duas linhas de células pancreáticas conhecidas como PANC-1 e BxPC-3, respectivamente, e mediram suas respostas aos compostos derivados do wasabi usando as seguintes técnicas:

* Ensaio MTT para a viabilidade das células (isto é, medir o número de células viáveis ​​presente)
* Mancha de Liu para a observação morfológica (ou seja, alterações na forma das células)
* Histograma do DNA para ciclo celular.
* A atividade da aldeído desidrogenase (ALDH) foi utilizada como um marcador para as células estaminais cancerígenas (CEC)
* Western blotting foi realizado para a expressão de proteínas relacionadas com a sinalização de CEC.

O câncer de pâncreas é extremamente difícil de tratar através de meios convencionais, com um prognóstico tão pobre que a chance de viver além de 5 anos é de apenas 5 a 25%, mesmo após o tratamento agressivo. [i] Um dos mecanismos identificados por trás da resistência ao tratamento convencional é a existência de células estaminais cancerosas (CSCs).

As CSCs são uma subpopulação minoria de células dentro de tumores capazes de auto-renovação ilimitada (ou seja, imortalidade), capaz de se diferenciar dentro de todos os tipos de células que são encontradas numa amostra específica de câncer, e as quais são resistentes ao tratamento convencional.

Embora a quimioterapia, radioterapia e cirurgia muitas vezes encolham (ressecam) ou aparentemente removam um tumor, abaixo do limiar de vigilância de diagnóstico, ou no interior do tumor pós-intervenção restante, a população de células estaminais cancerosas pode permanecer, e no caso de tratamentos de quimioterapia e radiação pode, na verdade, ser enriquecida em número.

Isto explica porque muitos canceres retornam pós-tratamento com características metastáticas ainda mais agressivas, apesar da impressão original de uma recaída ou tratamento de sucesso, tal como definido pela redução do tamanho do tumor.

Dado o obstáculo monumental que as CSCs representam perante os tratamentos convencionais, terapias enfocadas sobre as CSC são necessárias mais do que nunca, e podem ser apreciadas por sua superioridade sobre as terapias convencionais que tendem a estimular seletivamente o crescimento da CSC, ou até mesmo converter as células cancerosas não tumorigênicas dentro de um tumor em células estaminais cancerosas ou células cancerosas com propriedades de células estaminais.

O novo estudo revelou que os dois compostos estudados derivados do wasabi  (6-HITC e I7557) foram capazes de reduzir a população de CSC e reduzir a expressão de uma chave da molécula de sinalização de CSC conhecida como SOX2,  a qual é um fator de transcrição encontrado em ambas células estaminais embrionária não diferenciadas e células estaminais cancerígenas, as qual são essenciais para a auto-renovação e capacidade da célula de se diferenciar dentro de outros tipos de células (ou seja, pluripotências).

O estudo também descobriu que os compostos derivados do wasabi apresentaram os seguintes efeitos anti-câncer:

* 6-HITC e o I7557 inibiram a viabilidade de ambas as células PANC-1 e BxPC-3.
* 6-HITC- e I7557 mostraram prisão mitótica (divisão celular) e apoptose (morte celular programada) em observação morfológica.
* 6-HITC e I7557 induziram a fase prisão de G2/M e população de hipoploides.
* 6-HITC e I7557  reduziram a porcentagem de células PANC-1 ALDH-positivas (A atividade da aldeído desidrogenase (ALDH) é uma característica das CSCs [ii]).

Os autores concluíram: “Em conclusão, o composto Wasabi 6-HITC e seu químico derivado  I7557 podem possuir bioatividade contra as células de câncer do pâncreas humano, incluindo a população de CSC.”

Referências:

[i] Fryer RA, Galustian C, Dalgelish AG. Recent advances and developments in treatment strategies against pancreatic cancer. Current Clinical Pharmacology. 2009;4(2):102–112. [PubMed]

[ii] Kim MP, Fleming JB, Wang H, et al. ALDH activity selectively defines an enhanced tumor-initiating cell population relative to CD133 expression in human pancreatic adenocarcinoma. PLoS ONE. 2011;6(6)e20636 [PMC free article] [PubMed] [Ref list]

Fontes:
Green MedInfo: Japanese Condiment Fights Highly Lethal Pancreatic Cancer
NCBI: Effect of Wasabi Component 6-(Methylsulfinyl)hexyl Isothiocyanate and Derivatives on Human Pancreatic Cancer Cells
– Green MedInfo: Cancer Stem Cells
– Green MedInfo: Study: Radiation Therapy Can Make Cancers 30x More Malignant

Leia mais: http://www.noticiasnaturais.com/2015/10/estudo-wasabi-condimento-japones-combate-o-cancer-do-pancreas/#ixzz3pFbmH7Ja