TORNANDO-SE UMA MUDANÇA

Revisão de abril

A energia de previsão para o futuro de April estava nos preparando para aprender a equilibrar o poder do momento presente e gerenciar nossa criatividade natural, que é um potencial futuro.

Como o segundo trimestre de 2019 esclarece a nossa neutralidade (passando do medo para o amor), estamos aprendendo a equilibrar os opostos dentro para novas formas de criação.

Desta forma, espiralamos para um novo nível, em vez de girar em torno do mesmo caminho que pode parecer um pouco diferente, mas não é realmente.

Tantos são resistentes a mudanças, que se convencem de que estão mudando, mas é uma nova fachada no mesmo prédio antigo.

Como um Trabalhador da Luz, você está naturalmente focado nas mudanças sutis e internas que iniciam a transformação profunda para a experiência humana. Você está Iluminando o caminho para mais da divindade inerente expressar.

Abril nos ajudou a navegar pelas mudanças internas do reino, de modo que estamos criando uma nova estrutura energética que sustenta uma nova forma. Nós nos tornamos a conexão do Amor que permite novas formas para o futuro, agora.

TORNANDO-SE MUDANÇA

A energia de maio está se tornando mudançaEstamos em um ponto de movimento que está nos chamando para o nosso maior potencial. A poderosa citação de Gandhi, “Seja a mudança que você quer ver no mundo” é uma lembrança tão bonita da nossa criação de ação, e nosso ser como o atrator e reator que catalisa mudanças profundas. A lei da ressonância em ação.

Foi-me mostrado o nome de Deus que Moisés recebeu, que muitas vezes é traduzido simplesmente como “Eu Sou o Que Eu Sou” evoluindo para a tradução mais clara de “Estou Me Tornando Aquilo Que Estou Sendo”. forma contínua do verbo que mostra o momento presente movendo-se continuamente para uma nova criação. O estado definitivo de Eu Sou, e o potencial de Tornar-se, continuamente se encontrando no movimento do presente através do tempo.

Estou me tornando aquilo que estou me tornando

Essa tradução mais clara já estava disponível antes, mas a tradução mais simples tornou-se mais aceita porque combinava melhor com a nossa compreensão do terceiro chacra. Estamos agora evoluindo para uma densidade mais alta de conexão do quarto chacra, honrando o estado constante de criação que o coração / Amor traz. Estamos magnetizando mais conscientemente, eletrizando nosso mundo com mais amor.

ENTREGAR-SE À MUDANÇA

Foi-me mostrado um exercício para apoiar as energias de maio que eu usei (na maioria das vezes, a contragosto) em minha própria vida.

“Eu entrego a minha vontade à vontade divina.”

Observe qualquer resistência (não-neutralidade) que você possa ter ao permitir que novas camadas da verdade da entrega ensinem sua capacidade de criar. Resistência não é uma coisa ruim, é apenas mostrar-lhe algum medo do fluxo de mudança.

Entregar-se à sua vontade não é desistir, é deixar o controle doentio que limita ou constrange você. É uma vontade de permitir mudanças. Entregar sua vontade à Divina Vontade é liberar o controle doentio da sua vontade humana para a sua Vontade Divina mais ampla.

Você é divino. Sua divindade está conectada com Toda a Vida. Você está permitindo (entregando) sua Vontade Divina para guiá-lo com uma perspectiva mais ampla de Amor.

A versão mais longa deste exercício, se você está encontrando alguma resistência, é “Eu entrego a minha vontade humana à minha vontade divina”, ou qualquer variação daquilo que o ajuda a abandonar o controle doentio e aberto ao seu fluxo divino.

Repito isso para mim mesmo quando percebo medo ou resistência criando desconforto. Geralmente inspira lágrimas de liberação e eu me torno mais neutro ao que estou experimentando. Isso, por sua vez, permite mudanças mais facilmente.

A verdade da rendição

Compreender a verdade mais elevada da entrega e da vontade divina é um estado ascendente do ser, ainda que bastante natural para aqueles que são sensíveis à dor do controle e da dominação.

A rendição é frequentemente associada à fraqueza. De fato, para aqueles que se concentram apenas no físico, há evidências disso. A rendição era apenas para aqueles que perderam a batalha, que eram mais fracos e não tão fortes quanto o vencedor que vencera por dominar. Esta é uma verdade, mas não é toda a verdade para aqueles com olhos para ver.

A força ativa é a força que inicia o consumo. Esta não é uma força ruim, é apenas uma função da fisicalidade. Por exemplo, o ato (ion) da respiração sustenta sua vida no físico. Essa é a força ativa.

Mas há outra força de criação no reino físico que não é tão óbvia, é a força passiva.

Para aqueles apenas focados em física, parece que a força passiva é a fraqueza que foi consumida pelo vencedor. Mas a força passiva é o magnetismo invisível que compele a mudança. É tão inerentemente forte que não precisa se sobrepor para sustentar, apenas compele e aguarda ressonância, mas o consumo ainda ocorre, é uma função da mudança.

A força passiva é a atração que compele com um campo de neutralidade que suaviza a ação do consumo – seja do próprio ou do outro – pois os dois sempre ocorrem. Mude todos os efeitos, de forma invisível e visível.

Ver além do óbvio cria uma compreensão mais profunda do consumo, da rendição e da nova criação. Aqueles que dominam não costumam ver o inevitável fluxo de liberdade que a opressão cria. Geralmente não é imediato, mas é inevitável ao longo do tempo.

Essa é a verdade mais profunda da rendição. É a capacidade de confiar no fluxo da vida à medida que se libera do controle doentio.

Você ainda age na vida. Você está permitindo que a sabedoria da sua divindade gere em vez de apenas o ego humano. Ao se abrir para a sua vontade divina, você está permitindo que leis universais se integrem à sua fisicalidade. A espiral da Vida ascende.

SER E TORNAR-SE

Ser é um estado de abertura e consciência profunda. É uma vontade poderosa de experimentar a plenitude da sua vida. Ser tem o efeito de quietude, pois libera a fricção do tempo.

O que leva ao devir – uma abertura ao eterno movimento e mudança. Tornar-se uma profunda consciência de sua capacidade permite que o fluxo de mudança continue em espiral.

Esses dois opostos são os dois fluxos opostos da espiral que se encontram em seu coração. Você está criando um novo você que começa a levar uma nova experiência à sua vida. A lei da ressonância em ação.

MUDANÇA

A criação é mudança e a mudança é constante no mundo físico à medida que nos movemos no tempo. O chacra da garganta destacava-se fortemente para as energias de maio.

É o nosso chacra da manifestação, quando focamos nossos desejos no físico. Mas o chacra da garganta não é apenas as palavras que falamos ou não falamos, representa a criação que começa no reino físico. Um pintor que pinta com as mãos está usando a energia do chacra da garganta.

Procure por qualquer sintoma de tosse, pigarro, aperto ou falta de expressão. Pode haver momentos de sentir que a comunicação está facilitando aqueles com os quais pode não ter sido tão fácil no passado, ou um sentimento de mais conforto no silêncio que expressa volumes sem palavras.

Você está abrindo sua criatividade, Prevendo seu Futuro com mais maestria, do que o medo de tentar controlar suas palavras, para que o universo não encha algo que você não quer. É hora de abandonar esse controle do chacra da garganta doentio e abrir sua criatividade para que sua expressão seja abundante.

Para muitos, isso é deixar de lado a supressão que foi aprendida com o abuso de poder que criou o medo da expressão.

O medo é o que você está deixando ir. Você está entregando seus medos humanos que levaram ao controle, à sabedoria de sua vontade divina – a disposição de permitir que o Amor cresça mais prontamente na Terra através de você.

Estes são tempos emocionantes de mudança, não necessariamente tempos fáceis de mudança. À medida que a mudança aumenta seu ritmo, use essa função espiral natural para entrar, focalizando seu reino interior em uma ressonância de força e amor que magnetiza novos potenciais para você e através de você.

Feliz maio!

Fonte: Jamye Price

Compartilhado por: www.anjodeluz.ning.com

Traduzido por Marcos Santos

Por gentileza, manter os créditos quando compartilhar