Alimentação

Tem Alzheimer Escondido na sua Pipoca?

Imagine a cena… Você vai assistir àquele filme que acabaram de lançar…

Preparou tudo para o momento: chamou uma boa companhia, tirou o cobertor do armário…

Mas antes de se sentar no sofá e aproveitar todas as maravilhas tecnológicas do seu aparelho de TV de última geração, passa rapidamente na cozinha.

Afinal, nada melhor do que uma pipoca para acompanhar um bom filme, certo?

Você simplesmente pega um pacote no armário, abre, coloca no seu micro-ondas e pronto! Em poucos minutos tem pipoca quentinha nas suas mãos.

O que pode ser melhor que isso?

Mas infelizmente, nem tudo são flores. Essa praticidade pode ter um custo alto no seu futuro…

O problema oculto na sua pipoca inocente

Pois é… Um estudo recente feito aqui no Brasil, na USP, traz uma verdade inconveniente sobre a pipoca de micro-ondas…

Na verdade, MAIS UM problema.

Porque talvez você já saiba que esse tipo de pipoca pode esconder algumas substâncias prejudiciais, como:

  • O ácido perfluorooctanóico (PFOA): que está correlacionado com Distúrbio de atenção, hiperatividade em crianças, comprometimento de tireoide e nascimento de crianças de baixo peso.
  • Óleos hidrogenados ou parcialmente hidrogenados, que sabidamente geram gorduras trans. Eles costumam estar misturados a essa pipoca de micro-ondas, além de um alto teor de temperos artificiais.

Agora soma-se a esses vilões da saúde o diacetil, um composto usado por algumas marcas de pipocas de micro-ondas para dar aquele aroma e sabor de manteiga.

Um grupo do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da USP analisou o resultado do uso contínuo desse composto em ratos de laboratório.

Eles receberam o diacetil em doses próximas a “doses normais” diárias dos humanos.

Ou seja… Como se comessem uma pipoca de micro-ondas por dia, em quantidades de acordo com seu tamanho…

Depois de 90 dias, foram analisadas as proteínas nos cérebros dos animais.

E o que se viu foi que das 48 proteínas cerebrais analisadas, 46 tiveram mudanças estruturais ou desregulação.

Além disso, os pesquisadores observaram um aumento da concentração de proteínas beta-amiloides, que frequentemente são encontradas nos cérebros de pacientes com Alzheimer.

Preocupante, não é mesmo?

Seria hora de deixar a pipoca de lado?

Calma… Vamos pensar juntos…

De fato, você deveria esquecer a pipoca de micro-ondas.

Não apenas por esse novo problema citado, mas por todos os anteriores que mencionei.

Mas tenho também uma boa notícia… A pipoca feita na forma tradicional, na boa e velha pipoqueira, pode até mesmo ser uma aliada da sua saúde!

É isso mesmo. A pipoca naturalmente contém:

  • Fibras;
  • Minerais como zinco, manganês, magnésio e fósforo;
  • Vitaminas B3 e B6;
  • Antioxidantes que combatem os radicais livres (mais até do que em alguns vegetais!).

Por conta disso, ela pode ajudar até mesmo no emagrecimento, na regulação da glicemia, na digestão e até nos níveis de colesterol!

Então, troque o seu micro-ondas por uma pipoqueira. Basta mexer. É quase tão simples quanto apertar os botões!

Uma dica interessante é, se possível, evitar o milho transgênico.

E ao fazer sua pipoca, opte por gorduras boas, como manteiga, banha ou óleo de coco, que não geram gorduras trans.

Combinado?

Agora sim, tudo pronto para você curtir seu filme com a sua pipoquinha.

Supersaúde!

Referências bibliográficas:

Fonte postagem: www.DrRondo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »